Saiba como poupar nas comissões bancárias

A cada ano que passa as comissões exigidas pelos bancos aumentam, elevando por isso os valores que tem de pagar pela manutenção das suas contas e pelos vários serviços associados. Transferências, pedidos de cheques, anuidades de cartões de crédito, consultas de movimentos, etc., tudo é motivo para o pagamento de comissões. No entanto, seguindo algumas dicas, poderá conseguir poupar bastante nestas despesas.

Dicas sobre como poupar nas comissões bancárias

O multibanco é ainda hoje um sistema prático e mais económico de realizar as suas operações bancárias com um custo reduzido ou inexistente. Na maior parte dos bancos, a utilização do multibanco é a forma mais barata de realizar várias operações, nas quais se incluem por exemplo as transferências. Se o seu banco obriga ao pagamento de comissões pelas transferências bancárias, inclusive no sistema de home banking, opte pelo multibanco pois será certamente mais barato.

Outra das formas de reduzir as suas comissões é optar pelo sistema de home banking. Usar os canais online do seu banco fica mais barato que utilizar o balcão ou o telefone. Como o sistema online ajuda o próprio banco a otimizar os seus recursos e a reduzir despesas, este incentiva o uso do home banking através de preçário mais baratos, com diferenças que por vezes são bastante substanciais.

A domiciliação do ordenado é uma das formas mais comuns para baixar as comissões bancárias. Ao optar por ter uma conta ordenado, o banco irá dar-lhe vários benefícios, nos quais se incluem a redução ou mesmo isenção de várias comissões, sendo a mais habitual a da manutenção da conta. Além disso, a conta ordenado tem ainda a vantagem de a poder movimentar livremente, o que pode ser muito útil em certas situações.

Os bancos procuram cada vez mais atrair clientes para os seus serviços, tentando que estes tenham todos os seus produtos financeiros nessa instituição. Para isso oferecem vários benefícios, os quais incluem spreads de créditos mais baixos, e ainda, algumas isenções de comissões. Além disso, se consolidar todos os seus produtos na mesma instituição, poupa nas comissões que teria que pagar se tivesse contas em outros bancos. Apesar de ter também alguns riscos, esta opção permite poupar a curto e médio prazo valores ainda significativos.

Os cartões de crédito são muitas vezes pouco utilizados pelas famílias, que os têm apenas para alguma emergência, ou então, como condição na realização de um empréstimo para habitação. No entanto, este tipo de cartões tem anuidades elevadas. Há duas formas de reduzir estes custos. Uma é pedir um cartão sem anuidade. Contudo, este implica taxas de juro mais elevadas. A segunda opção é conhecer quais as condições de uso que o permitem isentar o pagamento da anuidade. A partir de um determinado valor pago com o cartão de crédito, você fica isento da anuidade durante esse ano. Neste caso, para não pagar juros, opte pelo pagamento de 100% da dívida.

Siga as nossas dicas e conseguirá reduzir de forma considerável o gasto anual em comissões bancárias.

Encerramento de conta bancária

Se pretende mudar de banco ou tem uma conta de depósito à ordem que já não usa, está livre de encerrar a conta bancária antiga a qualquer momento, exceto se tiver sido acordado um período de pré-aviso no contrato.

Independentemente de ser por iniciativa do cliente ou por iniciativa do banco, existem regras que regulam o processo de encerramento de uma conta bancária. Neste artigo, vamos dar-lhe conta dos procedimentos, prazos e custos.

O titular de uma conta de depósito à ordem tem o direito de poder encerrar essa conta em qualquer momento, exceto se tiver sido acordado um período de pré-aviso no contrato celebrado com o banco. O encerramento de uma conta deve ser solicitado formalmente junto da instituição de crédito pelo seu titular.

Se houver uma cláusula no contrato que obrigue as partes, ou uma delas, a precaver a outra da intenção de cancelamento da conta bancária, saiba que há limites para esse pré-aviso. Geralmente, 30 dias, no máximo, quando a iniciativa parte dos titulares. Quando é o banco a tomar a iniciativa de encerrar uma conta, deve avisar o cliente com, pelo menos, 60 dias de antecedência.

Se deixar simplesmente de movimentar a conta bancária e não comunicar ao banco, que pretende encerrar a conta bancária, corre seriamente o risco de receber uma conta em casa para pagar. Mesmo inativa, o banco continua a cobrar comissões de manutenção ou até emissão de cartões e respetivas anuidades, sendo obrigado a assumir a responsabilidade até ao cancelamento efetivo da conta.

No que diz respeito aos custos associados ao processo de cancelamento de conta bancária, quando os consumidores sejam clientes particulares e micro empresas, não acarreta qualquer despesa para o titular. O mesmo já não se pode dizer das contas de depósito de outros grupos de clientes, porém somente nos casos em que as contas bancárias tenham menos de um ano de existência. A estes a instituição financeira pode cobrar comissões de encerramento equivalentes aos custos suportados com a conta.

Finalmente, não se esqueça de cancelar eventuais débitos diretos que tenha associados a essa mesma conta corrente, antes do encerramento, para evitar ser visto como incumpridor das suas responsabilidades.

6 dicas para proteger dados pessoais na internet

Para aceder e movimentar a sua conta bancária na internet com segurança, é fundamental garantir a proteção dos seus dados pessoais. Conheça algumas medidas de segurança para proteger os seus dados na internet:

Use computador pessoal
Não use computadores públicos para aceder a sua conta bancária na internet. Além do risco de captação de dados pessoais no computador, pode até estar a ser filmado. Por isso, use apenas o seu computador pessoal para aceder à sua conta bancária.

Atualize os softwares do seu pc
Proteja-se, atualizando os softwares do seu computador, nomeadamente aplicativos de serviço antivírus e firewall.

Verifique a segurança da navegação
Utilize links inseridos por si no browser de internet. Verifique se está numa página segura – com um “s” depois do “http” no endereço ou um pequeno cadeado no início.

Use um password forte
Use uma única senha (diferente das outras contas), com significado para si para facilitar a memorização da mesma.
Não aponte a senha no telemóvel ou no computador para outras pessoas a descobrirem. Prefira também não guardar a senha no navegador da internet pois quem tiver acesso ao seu computador pode utilizar a mesma. Recomenda-se que altere o seu password periodicamente.

Ignore solicitações de informações
Uma das fraudes frequentes na internet é o pedido para partilhar dados pessoais. Por isso, desconfie dos pedidos. Só deve atualizar os seus dados quando isto for pedido pela própria instituição financeira, ou seja, já depois de ter entrado na página oficial desta. Nunca forneça informações pessoais ou financeiras em resposta a um e-mail ou para qualquer pessoa que ligar solicitando esses dados

Termine sessão
Ao finalizar, deve fechar sessão da sua conta por si, não deixe o tempo da sessão aspirar.

Dicas para começar uma conta poupança

Nos dias que correm, chegar ao fim do mês com alguma reserva de dinheiro é quase uma vitória. A conjuntura atual prevê que os próximos anos sejam ainda de grandes dificuldades e risco pelo que, se conseguir ter algum dinheiro de parte para qualquer necessidade futura, a melhor solução é aplicá-lo numa conta poupança, assim, ganha juros e o investimento feito é praticamente sem risco. Abaixo seguem algumas dicas para começar a sua conta poupança.

– Faça a sua própria pesquisa de mercado e veja qual é o banco que lhe oferece a melhor taxa de juro numa conta básica. A taxa de juro varia consoante a duração e o montante aplicado para a conta poupança.

– Define os seus objectivos a longo prazo. Se estiver a poupar para um carro ou uma viagem, diga-o ao seu gestor da cliente, pois ele pode sugerir quais os melhores produtos de poupança para os seus objectivos.

– Quando identificar qual a instituição bancária e o melhor produto de poupança, faça um depósito inicial na sua conta poupança. Certifique-se que separe para esta conta uma percentagem dos seus rendimentos mensais. Os peritos em poupança e finanças pessoais aconselham 10% do rendimento mensal para poupar.