O que fazer para deixar de pensar no dinheiro aos 40

Nos primeiros anos de vida profissional a tentação é para aproveitar ao máximo os rendimentos do trabalho. E na realidade, quando se começa a trabalhar é natural e desejável que tenha um estilo de vida adequado aos seus rendimentos e que o motive para trabalhar ainda mais. Contudo, é igualmente importante começar a pensar no futuro, para que possa deixar de ter preocupações financeiras mais tarde. Saiba mais sobre o que fazer para deixar de pensar no dinheiro aos 40.

A poupança é fundamental

A poupança, quer se queira, quer não, é a forma mais fácil de chegar aos 40 sem precisar de ter grandes preocupações de dinheiro. A não ser que tenha muita sorte e ganhe algum prémio de lotaria, ou então, faça um investimento muito acertado, a verdade é que é preciso saber poupar para precaver o futuro.

Todos os dias irá aparecer tentações para gastar o seu dinheiro, seja um jantar fora ou numa peça de roupa de estação. Mesmo que seja muito poupado, é natural que de vez em quando caia na tentação. Como tal, a primeira dica é ser disciplinado com as suas poupanças. Uma estratégia que resulta na perfeição é fazer uma poupança mensal. E para que esta não falhe, deve vê-la como se fosse um gasto obrigatório. Assim, deve definir um montante que possa despender todos os meses, e colocá-lo de parte numa conta própria. Se for disciplinado, ao fim de 10 ou 20 anos, terá uma maquia bastante considerável, que lhe permitirá ficar mais desafogado aos 40.

7 dicas úteis para o manter disciplinado e conseguir poupar o máximo possível

– antes de comprar, analisar sempre se realmente precisa desse produto ou serviço;
– apenas aproveitar promoções de produtos que já iria levar à partida;
– analise sempre as suas emoções, e procure perceber se está a fazer uma compra inteligente ou simplesmente uma compra emocional;
– defina metas anuais, como por exemplo umas férias ou algo que você ou a sua família queiram muito, pois ajudará a manter-se disciplinado em relação ao seu dinheiro;
– apontar todos os gastos mensais, de modo a ter uma maior perceção do que gasta e um controlo maior sobre as despesas da sua casa;
– adotar medidas de poupança de eletricidade e água em casa, que muitas vezes são suficientes para poupar muito dinheiro até ao fim de um ano;
– especialmente em compras com alguma dimensão, nunca deve comprar no momento, esperar sempre 24 horas até realmente tomar a decisão final.

Como certamente já percebeu, o segredo para não ter que pensar no dinheiro nos 40 é saber poupar. No processo de poupança a disciplina é fundamental, simplesmente não pode gastar mais do que ganha, se acha que não está a obter rendimentos suficientes para poder poupar, então está na altura de analisar bem as suas despesas, haverá algum desperdício? Experimente colocar no início de mês a poupança parte e emagreça o orçamento mensal.

Está disposto a trabalhar mais? Procure um part-time, há cada vez mais oportunidades de trabalho complementares ao emprego habitual seja numa empresa ou como freelancer, que pode aproveitar para aumentar os seus rendimentos, e assim, aumentar as suas poupanças para o futuro.

Siga as nossas dicas de como fazer para deixar de pensar no dinheiro aos 40, e comece a preparar o seu futuro.

Dicas de poupança doméstica

Perante a quebra de rendimentos e o aumento de despesas que se tem verificado nos últimos anos em Portugal, algumas coisas que antes faziam parte do nosso dia-a-dia, passaram para segundo e terceiro plano. É o caso da idas ao cabeleireiro, à esteticista, ao ginásio, fugas ao fim-de-semana, etc. Contudo, uma boa gestão do nosso orçamento familiar pode fazer amealhar-nos algum dinheiro para que, de vez em quando, consigamos desfrutar de alguns destes miminhos. Para isso, basta seguir algumas das dicas que deixamos aqui:

1 – Gestão/Controlo dos gastos
É muito importante fazermos uma boa gestão do nosso dinheiro e, para isso, nada melhor que arranjar um bloquinho onde podemos anotar todos os gastos que vamos fazendo ao longo do mês, incluindo pequenos gastos como a compra de uma revista ou o consumo de café. Lembre-se que só assim pode ter consciência dos seus gastos e onde pode cortar para conseguir a amealhar algum dinheiro.

2 – Ida ao supermercado
Fazer uma lista com os produtos que precisamos é sempre uma óptima maneira de poupar e evitar comprar produtos que não fazem falta ao nosso bem-estar. Portanto, se tem por costume fazer compras semanais, verifique sempre os produtos que tem em casa, planeie as refeições para essa semana, veja o que tem de comprar e faça a sua lista. Desta forma, evitar comprar produtos desnecessários, além de ainda poupar tempo nas compras. Saiba mais sobre como poupar no supermercado aqui.

3 – Planeamento das refeições
Fazer um planeamento semanal das refeições pode ser muito útil, pois permite-nos ter uma melhor noção dos produtos que temos em casa, assim como de possíveis sobras e a melhor maneira de como podemos usá-las numa refeição. Assim, quando vamos às compras já sabemos do que precisamos e evitamos comprar coisas desnecessárias.

4 – Produtos de limpeza
Actualmente, existem produtos para tudo e mais alguma coisa, mas na verdade precisamos apenas de 3 ou 4 para limpar e manter a higienização da casa. Por exemplo, o detergente da louça pode ser usado para lavar o fogão, o forno, o balcão, o micro-ondas, o frigorífico, tirar nódoas de toalhas e panos; o detergente lava tudo por ser um desinfetante e desengordurante, é óptimo para limpar o chão, a casa de banho e a cozinha; o limpa-vidros e limpa móveis são perfeitos para limpar o pó da casa e deixá-la limpa e perfumada. Quando for ao supermercado, opte por comprar produtos de marca branca, ao invés de produtos de outras marcas bem mais caras. O efeito é praticamente o mesmo e sempre poupa algum dinheiro.
Nota: Em relação ao detergente de louça, não precisa de usar muito quando está a lavar. Bastam 2/3 gotas e acrescentar água quente. Se a esponja não absorver bem, então é porque precisa de ser trocada.

5 – Gestão da água
Evite o desperdício de água. Quando for tomar banho, lavar os dentes, as mãos, a louça ou a roupa, nunca deixe a água a correr. Devemos fechar a torneira sempre que estamos a ensaboar. Abra apenas a torneira quando precisa. Evite também tomar banhos longos ou de emersão, visto que estes envolvem grandes gastos de água. No caso da máquina de lavar roupa use a temperatura mínima (30ºC) se achar que a roupa não está muito suja e coloque-a a lavar durante os períodos de gasto de energia mais baixos, ou seja, durante as horas do período nocturno e fins-de-semana para quem tem a tarifa bi-horária da electricidade. Assim, vai evitar gastar água desnecessariamente, ajuda o ambiente, e a sua factura vai pesar menos ao final do mês. Saiba mais sobre como poupar na factura da água aqui.

6 – Alimentação
Tente fazer 4 a 5 refeições por dia e comece sempre as refeições principais com um prato de sopa. Além de ajudar a manter a linha, também é bom para a carteira, pois tem menos fome ao longo do dia e não precisa de comer tanto nas refeições principais. Evite também fazer refeições fora de casa. Além de poder fazer escolhas mais saudáveis, poupa imenso dinheiro. Ao almoço, pode optar por preparar uma marmita ao invés de ir comer à cantina, ao café ou ao restaurante mais próximo. Além de ser mais saudável e poupar dinheiro, tem aqui uma oportunidade de conviver mais com os seus colegas.

7 – Sobras
Inove na cozinha! Aproveite as sobras que tem em casa para fazer novos pratos. Pode usar restos de carne para fazer alguns salgadinhos ou restos de bacalhau para fazer “roupa velha” ou até “bacalhau-à-brás”, os legumes pode usá-los para fazer umas deliciosas quiches vegetarianas e o pão pode usar em açordas ou em tostas. Como pode ver é possível evitar o desperdício. É tudo uma questão de imaginação.

8 – Limpeza/Arrumação
Tente sempre ter os produtos de limpeza arrumados e organizados, pois assim evita comprar produtos que tem em casa. Limpe também o frigorífico com alguma regularidade para evitar a acumulação de gelo. Este gesto evita o desperdício de energia.

Como pode ver, com uma boa gestão e algum esforço é possível poupar em imensas coisas e ainda amealhar algum dinheiro para os nossos gastos pessoais.

Autora: Vanessa Cardoso

10 dicas para poupar dinheiro no supermercado

Sejam compras diárias, semanais ou mensais, as contas do supermercado representam sempre uma fatia importante no orçamento familiar. Ora se por um lado existem alimentos e produtos imprescindíveis, saiba que também existem formas de reduzir as despesas da ida ao supermercado sem ter de prescindir de nada. Veja aqui algumas das nossas dicas:

1. Defina um orçamento – Quando fizer compras, estipule um orçamento. Não vá ao supermercado sem saber até quanto poderá gastar. Os cartões de débito e/ou crédito são, muitas vezes, inimigos dessa gestão. Por isso, evite pagar através do multibanco e estabeleça um montante limite.

2. Faça uma lista – Tenha em atenção os produtos em falta e prepare com alguma antecedência uma lista com todas as coisas que precisa comprar no supermercado. Se souber exactamente o que precisa, corre menos riscos de perder-se em produtos desnecessários e, muitas vezes, caros. Se já conhece a loja, tente organizar a lista de acordo com a disposição dos produtos (por exemplo: da esquerda para a direita), assim vai poupar tempo e evitar andar para trás e para a frente.

3. Não vá às compras de barriga vazia – Evite ir ao supermercado com fome. Dessa forma, evita comprar produtos desnecessários, poupando dinheiro para eventuais coisas que realmente precisa.

4. Aproveite as promoções – Dê uma vista de olhos aos folhetos publicitários que recebe diariamente e compare preços. Para além de ajudar a planear as lojas a que deve ir, é uma boa maneira de estar atento às promoções.

5. Diga sim às marcas brancas – Muito mais económicas, as marcas brancas já não são o que eram. A crescente competitividade tem levado as empresas a apostar fortemente na qualidade dos seus produtos, mas muito mais baratos em comparação às restantes marcas. Experimente e vai ver que não se vai arrepender.

6. Armazene – Sempre que vir produtos “sem prazo de validade” que estejam em promoção, aproveite os preços baixos e faça um stock em casa. O mesmo se aplica a todos os produtos com prazos de validade longos como cereais, leite ou enlatados, por exemplo. Dessa forma evita ir ao supermercado tantas vezes e cair na tentação de comprar coisas desnecessárias.

7. Vá com tempo – Muitas vezes as compras exigem tempo e paciência para que possa avaliar bem as várias marcas que tem ao seu dispor e dessa forma ver as que compensam mais na relação qualidade/preço.

8. Evite levar crianças – O ideal é deixar as crianças em casa. Dessa forma, poderá concentrar-se sem ter que dividir a sua atenção em duas coisas em simultâneo. Além de evitar comprar todo o tipo de produtos tentadores que as crianças vêem.

9. Escolha frutos e legumes da época – Os alimentos de época, especialmente os regionais ou nacionais, não estão sujeitos a conservações e grandes viagens, tornando os produtos mais baratos, e ao mesmo tempo, mais saudáveis. Ou seja, além de poupar na carteira, os frutos e legumes da época são mais nutritivos e naturalmente mais saborosos. Saiba quais são os frutos e legumes de cada mês (AQUI),

10. Confira os talões – Muitas vezes existem erros de preço, seja por um produto passar mais que uma vez ou alguma anomalia nos talões ou promoções existentes. Por isso, mantenha os olhos abertos. É importante que não deixe passar essas situações. Afinal, um engano hoje, outro amanhã… é dinheiro ao final do mês.

Dicas para melhorar o seu orçamento familiar

Para melhorar o seu orçamento familiar, é muito importante verificar bem as contas, pois pode-se dar o caso de estar a pagar por algo que não utilizou. Verifique todos os meses os extratos bancários e confira todas as contas pagas. Também pode acontecer o inverso, estar a pagar por algo que utilizou e que não devia, por não estar incluído no contrato.

Dicas para aumentar o seu orçamento familiar

Conheça bem os limites dos serviços contratados, tais como telecomunicações. Atualmente, com uma grande quantidade de oferta existente no mercado, convém sempre prestar atenção aos serviços mais baratos que são disponibilizados no mercado. No caso dos serviços de telecomunicações, existe sempre onde cortar a despesa mensal, por isso pode sempre reavaliar os contratos. Procurar constantemente os melhores preços é uma estratégia bastante eficaz na hora de maximizar o orçamento familiar.

Não subestime as pequenas poupanças. Se agregar os elementos familiares dentro do mesmo serviço, como seguro automóvel, ou seguro de saúde, estará a poupar dinheiro automaticamente. Outra forma fácil de poupar dinheiro é os membros da família partilharem deslocações no mesmo automóvel.

Maior controle no consumo energético em casa, desde o ar condicionado ao aquecimento, desde os aparelhos deixados ligados durante a noite à iluminação utilizada.

Pode também plantar alguns alimentos e gere melhor as refeições, de forma a sobrar mais dinheiro ao fim do mês para a família.

Coloque numa conta bancária a percentagem de dinheiro do orçamento familiar que estipulou todos os meses para a poupança.

Venda o que tem por casa que já não tem utilidade para ninguém e ganhe um pequeno reforço no orçamento familiar.

A medida mais relevante a tomar na altura de aumentar o orçamento familiar passa por arranjar um trabalho extra ou por aumentar o volume de horas de trabalho. Contudo este é o passo mais difícil de se conseguir dar.

Saiba como fazer o seu orçamento familiar

Para evitar que o prazer de comprar se transforme numa lista de privações quotidianas, é prioritário fazer um orçamento familiar, isto é, contabilizar todo o dinheiro que entre e o dinheiro que sai mensalmente da sua conta bancária. Assim poderá definir qual a margem financeira que dispõe e determinar se os seus projetos são realizáveis, daqui a quanto tempo os poderá realizar e a maneira de os alcançar.

Pode fazer o seu orçamento doméstico numa folha de Excel ou simplesmente compre um caderno e faça-o a lápis.

Seguem abaixo alguns conselhos para que possa fazer o seu orçamento familiar:

Identifique os rendimentos
Comece por identificar as principais fontes dos seus rendimentos (receitas). Estas englobam rendimentos como salários, subsídios de férias, de Natal e de refeição, prémios, bónus e comissões. Se não está a trabalhar, mas recebe o subsídio de desemprego ou uma pensão de velhice, dividendos de ações ou rendas de casas que arrenda, não se esqueça de incluir tudo no seu orçamento.

Identifique as despesas
O objetivo passa por anotar todos os gastos previstos para ao longo do mês, quer sejam necessidades e gastos básicos, quer sejam projetos que pretenda realizar. Para esta secção do orçamento doméstico, anote todas as despesas fixas (que acontecem todos meses), como o alojamento ou seguros, a alimentação, a conta da água ou luz. Faça uma estimativa dos gastos ou utilizar os valores do mesmo mês no ano anterior para definir os valores das despesas essenciais incertos.

Como o seu padrão de gastos não se resume as despesas fixas, deverá ter especial atenção com as despesas variáveis, que são aquelas que não sendo prioritárias são importantes para ter alguma qualidade de vida. Exemplo destas são as refeições fora de casa, combustível ou vestuário.

Crie subcategorias
Depois de contabilizar todas as despesas domésticas, separe as despesas fixas de outras despesas. Muitas pessoas não fazem idéia do quanto gastam em jantares fora, em viagens, presentes, vestuários, etc. Analise estas despesas e estabeleça de forma realísta montantes de gastos para as mesmas.

Fundo de maneio para emergências
Não tem que ser valores elevados, mas se for poupando mensalmente, quando chegar a altura em que esse dinheiro será necessário, certamente que terá um valor interessante já separado para qualquer emergência. Separe dinheiro também para os seus gastos pessoais, o que lhe permite manter a disciplina e a motivação para cumprir o orçamento.

Faça a avaliação
Calcule os valores totais dos seus rendimentos e despesas mensais. Se o resultado indicar que tem mais rendimentos do que despesas, então está no caminho certo. Isto significa que pode distribuir a parte extra por outras subcategorias do seu orçamento, como poupança para a reforma, amortização de créditos ou para o vestuário. Tente que a sua poupança chegue a 10% do seu rendimento mensal. Saiba como fazer um pé-de-meia para a reforma.

Se tiver um total de despesas superior ao total de rendimentos, então vai ter de fazer alguns ajustes no seu orçamento familiar.

Não deixe acumular as dívidas
Se está a ter dificuldades em pagar a dívida do seu cartão de crédito, ou empréstimos, um orçamento pode ajudar a resolver este problema. Separe sempre dinheiro suficiente para pagar mais do que o mínimo, especialmente no que diz respeito aos cartões de crédito, os quais têm taxas de juro elevadas.

Não use cartões para pagar despesas pessoais
Muitos consultores financeiros recomendam a criação de envelopes para as várias subcategorias dos seus gastos, como a alimentação ou a gasolina. Atualize mensalmente os envelopes com o dinheiro que definiu no orçamento para essas despesas. Isto permite-lhe verificar o que está a gastar.

Siga o seu plano
Por fim, tente seguir o seu plano e não se desvie do orçamento. De nada serve ter um orçamento, caso não siga o mesmo com determinação e disciplina.