Os custos globais de um crédito

No sentido de proteger o beneficiário menos avisado do verdadeiro custo de um empréstimo, considerando todos os encargos associados à operação, criou-se a Taxa Anual Efectiva Global (TAEG). Esta taxa pretende reflectir o verdadeiro custo final para o beneficiário do crédito que assim tem uma noção mais exacta do que representará para si a operação financeira.

A TAEG pode ser calculada para dois tipos de operações distintas:
• Operações uni período, em que há apenas dois momentos: o inicial, no qual o empréstimo é concedido e no qual pode haver lugar ao pagamento de outros encargos e o final em que se liquida o empréstimo, juros e eventuais outros encargos;
• Operações multi-período, em que há lugar ao pagamento de juros periódicos e eventualmente também ao reembolso faseado do capital em dívida.

Por exemplo:
TAEG para operações uni período
• Montante do financiamento: 20.000€
• Prazo: 91 dias
• Taxa de juro nominal (Euribor+spread): 6%
• Imposto de selo sobre os juros: 4%
• Despesas de concessão do empréstimo (pagos no momento da obtenção do empréstimo): 100€
• Comissão de cobrança do empréstimo (pagos no reembolso do empréstimo): 50€

Cálculo dos juros:
20.000 x 0,06 x (91/360) = 303,30€

• Imposto de selo sobre os juros: 303,30 x 0,04 = 12,10€
• Montante líquido obtido: 20.000 – 100 = 19,900€
• Montante a pagar no final: 20.000 + 303,3 + 12,1 + 50 = 20.365,40€

Generalizando, o cálculo da TAEG para operações uni período:
CI – Capital do empréstimo
DI – Todas as despesas suportadas no momento zero
J – Juros
DF – Todas as despesas suportadas no final do empréstimo (excepção dos juros)
X – nº de dias da operação

TAEG =[ (CI + DF + J) / (CI – DI)^365/X – 1

TAEG = [20.365,4 / 19.900]^91/365 – 1 = 0,0972 (9,72%)

Nota: Como a óptica da TAEG é a do beneficiário do financiamento utiliza-se como base de calendário a base real, ou seja, 365 dias.

As vantagens e desvantagens do crédito pessoal

Quando é usado de uma forma responsável, recorrer ao crédito pessoal ajuda bastante as finanças pessoais. No entanto, se perder o controlo, pode criar dívidas pesadas que, por vezes, torna-se impossível de pagar. Por isso, não peça um crédito pessoal sem primeiro considerar as suas vantagens e desvantagens. Por um lado, as principais vantagens deste tipo de crédito dizem-lhe para avançar com o crédito, por outro, as desvantagens deixam-no com um pé atrás em relação ao mesmo.

Só ponderando muito bem é que se consegue tirar partido dessas vantagens, ao mesmo tempo que evite as desvantagens. Conheça abaixo um conjunto de vantagens e desvantagens associadas ao crédito pessoal.

VANTAGENS

Acesso imediato ao dinheiro – Recorrer a um crédito pessoal permite o acesso rápido ao dinheiro, podendo assim responder a alguma necessidade urgente. A principal vantagem do crédito é o facto de poder injetar na conta bancária da pessoa, que pode estar com dificuldades financeiras.

Organizar a vida financeira – Depois de receber uma injeção de capital, a pessoa pode organizar melhor a sua vida financeira, gerindo as despesas como lhe for mais conveniente;

Menos burocrático – Em geral, para solicitar este tipo de crédito necessita de muito menos documentação;

Estímular o consumo e produção – Os empréstimos concedidos aos consumidores, estimulam o crescimento económico, impulsionado pelo motor do investimento. Pode não ser uma vantagem direta para o consumidor, mas não deixa de ter a sua importância;

DESVANTAGENS

Endividamento – Um crédito pessoal pode conduzir o devedor ao endividamento. Podendo assim, ser o descalabro de uma família;

Custos – É bom ter o dinheiro ou o bem na mão no momento, mas é necessário pagar o mesmo com juros e comissões relativas ao crédito. As taxas de juros (TAEG) associadas ao crédito pessoal são normalmente muito mais altas do que outros tipos de crédito;

Prazo de pagamento – O prazo de pagamento de um crédito pessoal é normalmente curto, o que obriga a pessoa a uma rigorosa ginástica financeira;

Os principais tipos de crédito bancário

Existem vários tipos de crédito bancário consoante as caraterísticas de cada projeto, de forma a adaptá-los às necessidades de cada cliente. Se o objetivo do cliente for comprar um carro, deve pedir um crédito automóvel; se for para a compra de uma casa, deve pedir um crédito à habitação, e assim por aí diante…

A maioria dos portugueses recorrem a ajuda financeira para poder adquirir uma casa, um carro ou até mesmo realizar aquela viagem de sonho. Por esse motivo, diferenciaram-se os diversos tipos de crédito. Consulte abaixo alguns dos principais créditos existentes no mercado:

Crédito pessoal
Este é o único crédito que é concedido para a compra de bens de consumo sem especificar nenhuma finalidade em concreto. O cliente pode utilizar o crédito pessoal para concretizar objetivos pessoais, tais como fazer uma viagem, mobilar a casa, pagar dívidas, etc. O montante cedido varia normalmente entre os 500 e os 40 000 euros e com os prazos de 6 a 120 meses, consoante as políticas comerciais de cada instituição. As taxas de juros (TAEG) praticadas são consideravelmente mais elevadas do que noutros tipos de crédito.
Conheça também as vantagens e desvantagens do crédito pessoal

Crédito automóvel
Este tipo de crédito permite ao cliente comprar um carro, sem ter que despender um montante avultado no momento do ato da compra. O crédito automóvel é rápido e mais fácil de obter do que o crédito habitação. O financiamento pode ascender a 100% do valor do automóvel e os prazos variam entre os 12 e os 120 meses. Saiba mais sobre o crédito automóvel (AQUI).

Crédito habitação
O crédito habitação tem como finalidade a aquisição, construção e recuperação da casa própria. Em tempos de crise, é mais difícil ter acesso a este tipo de crédito, na medida em que os bancos são mais criteriosos e estudam muito bem o perfil de risco do cliente, de forma a evitar o crédito malparado e o prejuízo. Os financiamentos vão até 100% do valor do imóvel e os prazos podem ascender aos 50 anos, dependendo da idade do cliente. Saiba mais (AQUI).

Crédito estudantes
Este crédito permite aos estudantes iniciar ou dar continuidade aos seus cursos académicos, os quais podem ser de especialização técnica, licenciaturas, mestrados, doutoramentos ou programas de intercâmbio, como ERASMUS. Por norma, Os montantes atribuídos variam entre os 1000€ a 5000€ por ano, até um máximo de 25 000€ por estudante. Os prazos variam consoante a duração da formação.

Crédito consolidado
Trata-se de uma solução financeira que consolida as prestações de vários créditos (de automóvel, pessoal e habitação) numa só prestação. Tem como vantagens: passar de créditos a curto prazo para longo prazo e de taxas elevadas para taxas mais reduzidas. Contudo, não é fácil aderir a esta opção de crédito, na medida em que muitos dos clientes que a procuram já se encontram em situações de sobreendividamento. Existem 2 tipos de crédito consolidado: o Crédito Consolidado com Hipoteca e o Crédito Consolidado sem Hipoteca. Saiba mais sobre o crédito consolidado (AQUI).

Conheça também 10 dicas para evitar o sobreendividamento