O que fazer para deixar de pensar no dinheiro aos 40

Nos primeiros anos de vida profissional a tentação é para aproveitar ao máximo os rendimentos do trabalho. E na realidade, quando se começa a trabalhar é natural e desejável que tenha um estilo de vida adequado aos seus rendimentos e que o motive para trabalhar ainda mais. Contudo, é igualmente importante começar a pensar no futuro, para que possa deixar de ter preocupações financeiras mais tarde. Saiba mais sobre o que fazer para deixar de pensar no dinheiro aos 40.

A poupança é fundamental

A poupança, quer se queira, quer não, é a forma mais fácil de chegar aos 40 sem precisar de ter grandes preocupações de dinheiro. A não ser que tenha muita sorte e ganhe algum prémio de lotaria, ou então, faça um investimento muito acertado, a verdade é que é preciso saber poupar para precaver o futuro.

Todos os dias irá aparecer tentações para gastar o seu dinheiro, seja um jantar fora ou numa peça de roupa de estação. Mesmo que seja muito poupado, é natural que de vez em quando caia na tentação. Como tal, a primeira dica é ser disciplinado com as suas poupanças. Uma estratégia que resulta na perfeição é fazer uma poupança mensal. E para que esta não falhe, deve vê-la como se fosse um gasto obrigatório. Assim, deve definir um montante que possa despender todos os meses, e colocá-lo de parte numa conta própria. Se for disciplinado, ao fim de 10 ou 20 anos, terá uma maquia bastante considerável, que lhe permitirá ficar mais desafogado aos 40.

7 dicas úteis para o manter disciplinado e conseguir poupar o máximo possível

– antes de comprar, analisar sempre se realmente precisa desse produto ou serviço;
– apenas aproveitar promoções de produtos que já iria levar à partida;
– analise sempre as suas emoções, e procure perceber se está a fazer uma compra inteligente ou simplesmente uma compra emocional;
– defina metas anuais, como por exemplo umas férias ou algo que você ou a sua família queiram muito, pois ajudará a manter-se disciplinado em relação ao seu dinheiro;
– apontar todos os gastos mensais, de modo a ter uma maior perceção do que gasta e um controlo maior sobre as despesas da sua casa;
– adotar medidas de poupança de eletricidade e água em casa, que muitas vezes são suficientes para poupar muito dinheiro até ao fim de um ano;
– especialmente em compras com alguma dimensão, nunca deve comprar no momento, esperar sempre 24 horas até realmente tomar a decisão final.

Como certamente já percebeu, o segredo para não ter que pensar no dinheiro nos 40 é saber poupar. No processo de poupança a disciplina é fundamental, simplesmente não pode gastar mais do que ganha, se acha que não está a obter rendimentos suficientes para poder poupar, então está na altura de analisar bem as suas despesas, haverá algum desperdício? Experimente colocar no início de mês a poupança parte e emagreça o orçamento mensal.

Está disposto a trabalhar mais? Procure um part-time, há cada vez mais oportunidades de trabalho complementares ao emprego habitual seja numa empresa ou como freelancer, que pode aproveitar para aumentar os seus rendimentos, e assim, aumentar as suas poupanças para o futuro.

Siga as nossas dicas de como fazer para deixar de pensar no dinheiro aos 40, e comece a preparar o seu futuro.

Formas de rentabilizar as suas poupanças

Quando começamos a organizar as nossas finanças, estamos a aumentar as probabilidades de concretizar os nossos sonhos. O primeiro carro, uma casa mais confortável, viajar nas férias, manter o padrão de vida na velhice.

Investir bem as suas poupanças para maximizar os rendimentos é o primeiro passo, Quanto mais cedo começar a poupar e a investir, mais próximo estará a criar os pilares para um futuro financeiro confortável. Ter uma carteira de investimentos diversificada também é importante, pelo que deve analisar com cuidado os diferentes tipos de investimento que tem ao seu dispor.

Conheça os principais tipos de investimentos financeiros para rentabilizar as suas poupanças:

Ações – Para um investidor com pouca experiência, escolher ações pode ser uma tarefa difícil, mas os que já têm alguma experiência podem obter bons retornos investindo em ações. Uma forma de se integrar e analisar o mercado accionista, é escolher um conjunto delas e acompanhar a evolução das mesmas durante aproximadamente 6 meses a um ano. Isto dar-lhe-á uma perceção da volatilidade do mercado e do seu próprio sucesso sem ter de colocar o seu dinheiro em risco. Encare a esta experiência como uma espécie de treino, para posteriormente começar a investir e com sucesso no mercado acionista.

Obrigações – As obrigações oferecem uma taxa de retorno fixa, fazendo com que sejam uma boa alternativa às ações, onde o retorno é mais imprevisível. Todavia, quando investe em obrigações, deve ter em conta que quanto mais alto for a rentabilidade maior é também o risco. Os investimentos mais seguros são os que pagam menos, enquanto os que têm mais risco pagam mais. Deve ponderar bem o risco e o retorno na altura de escolher os seus investimentos.

Fundos Mútuos – Estes fundos recolhem dinheiro de vários pequenos investidores para comprar uma carteira diversificada de ações, obrigações e outros instrumentos financeiros. Isto permite os investidores ter maior diversificação que necessitam para investir de forma segura. Quando se escolhe um fundo mútuo é importante olhar para todas as comissões e despesas associadas, uma vez que comissões altas e recorrentes podem reduzir o retorno financeiro a longo prazo.

Fundos Negociados em Bolsa – Estes fundos combinam a diversificação de um fundo mútuo com a opção de negociar de uma ação. Tal como os fundos mútuos, os fundos negociados em Bolsa lidam com uma carteira de ações. Todavia, ao contrário dos mútuos, estes fundos podem ser comprados e vendidos durante o próprio dia de transações. Isto faz com que sejam escolhas atrativas para investidores, devido a sua elevada liquidez.

Derivados – Designam-se por derivados todos aqueles instrumentos financeiros resultantes de contratos a prazo celebrados, cujo valor e evolução futura do mesmo deriva do preço de um determinado ativo subjacente, tais como taxas de juro, ações, índice bolsista, matérias-primas, ou divisas. A alavancagem e a elevada volatilidade associadas aos produtos derivados, fazem com que o investidor ganhe ou perca toda a aplicação em pouco tempo. Investimentos deste tipo são negociados no mercado OTC ou na bolsa dos derivados.
Trata-se de um tipo de investimento pouco recomendado para investidores com pouca intimidade com o assunto. Saiba mais aqui.

Aplicações de Rendibilidade Fixa – São investimentos relativamente seguros e os retornos são menores do que a maioria dos outros tipos de investimento. Quem prefere investir com pouco risco, deve investir em instrumentos seguros e previsíveis como depósitos à prazo, certificados de aforro, ou seguros de capitalização. Aplicações deste tipo devia ter um papel importante na carteira de investimentos de qualquer investidor.