7 ideias para começar o seu negócio com poucos custos

Atualmente, a dificuldade na obtenção de crédito bancário para financiar negócios, é um forte entrave para a sua ideia de negócio, mesmo que seja viável e inovadora. No entanto, consoante a natureza do projeto, é possível criar um negócio com poucos custos e obter bons resultados. Muitos empreendedores não percebem que existem muitas formas criativas de começar um projeto sem o pesado fardo de um empréstimo.

Iniciar o seu negócio em casa é a opção mais acertada, assim não tem qualquer risco associado e pode fazê-lo a tempo parcial ou mesmo a tempo inteiro. Por ser em casa tem as suas vantagens, desde logo, não necessita de pagar a renda do espaço (trata-se de um dos maiores custos de uma empresa). Você poderá poupar também em combustível, porque não irá necessitar de se deslocar para o seu local de trabalho. Ajuda ainda reduzir os custos operacionais. Isso é essencial para a lucratividade e sucesso do seu negócio a longo prazo.

Para escolher a melhor oportunidade de negócio, para aprender e ter sucesso a começar um negócio com poucos custos, implica algumas pesquisas. A ideia do seu negócio tem que ser uma solução pretendida pelos clientes para um problema concreto, e esse problema tem que despoletar um conjunto suficiente de pessoas a estarem dispostas a pagar pela solução.

Existem várias formas de descobrir uma ideia para a sua oportunidade de negócio. Pode começar por identificar problemas que você próprio gostaria de ver resolvidos, pode perguntar a outras pessoas quais os problemas mais importantes que enfrentam ou pode analisar o que já foi feito de inovador e com sucesso noutros países.

Faça a sua pesquisa de mercado e analise potenciais ideias de negócio que não envolvam grandes gastos. Conheça abaixo algumas ideias de negócio que implicam poucos ou nenhuns gastos:

1 – Vendas online
Adquira artigos em promoções, lojas em liquidação, ou em segunda mão e coloque-os à venda em sites de leilões, ou então, numa loja online própria. A alternativa é uma loja online com Drop Shipping, isso permite-lhe vender artigos sem ter stock físico.

Crie uma loja online sem precisar de nenhum conhecimento técnico com a Webnode.

2 – Construção de Sites
Se tem conhecimento na área, crie sites e rentabilize os mesmos com publicidade. Existem vários serviços que pagam por clique e que lhe geram um rendimento interessante todos os meses. Pode também construir sites para terceiros, cobrando pela construção e serviços de manutenção posteriores.

Para quem não tem conhecimentos pode recorrer a Webnode.

Se deseja mais autonomia recomendamos wordpress.org e  pode alojar/hospedar um ou vários sites na Bluehost.

3 – Tradução
Domina fluentemente algum idioma estrangeiro? Então, pode oferecer-se para prestar serviços de tradução/intérprete às empresas. Atualmente existem muitas empresas e de diversos setores de negócio a precisar de colaboradores para traduzir ou fazer revisão de textos e para acompanhar os seus clientes.

O site Freelancer pode ser um bom começo para angariar clientes.

4 – Venda de comida para fora
Se gosta de cozinhar, pode começar por confecionar jantares e entregar os seus serviços às pessoas que não têm tempo para cozinhar. Para impulsionar o seu negócio, vá até as grandes empresas na hora de almoço e ofereça pequenas amostras da sua comida, juntamente com os seus cartões. Se gostarem da sua comida, o seu negócio vai crescer num instante.

Pode fazer cartões de visita em qualquer loja de impressão na sua zona ou fazer um pedido online numa loja como 360Imprimir.

5 – Negócios relacionados com aniversários
Se gosta de trabalhos manuais, pode fazer presentes de aniversário personalizados. Fazer bolos e salgados caseiros, indicado para quem gosta de cozinhar. Para quem gosta de lidar e tomar conta de crianças pode entrar num negócio com imenso potencial e baixo investimento, aluguer de insufláveis.

As redes sociais podem ser um bom auxiliar na promoção dos seus produtos, crie uma página no Facebook e um perfil no Instagram

6 – Serviços de limpezas domésticas
Basta apenas um balde, uma esfregona, uns panos e com muito trabalho e sentido de responsabilidade, para iniciar o seu negócio em limpezas domésticas.

Pode anunciar o seu serviço de limpezas no Zaask

7 – Cuidar de animais domésticos
Muitas pessoas não têm tempo necessário para cuidar dos seus animais, dar-lhes banho, cortar-lhes as unhas e até passear com eles. Para promover o seu negócio, deixe os seus cartões de negócio em clínicas veterinárias e explique que vai às casas dos clientes para cuidar dos seus animais domésticos.

Para quem gosta de conviver com os animais será obviamente um negócio muito interessante. Todas as dicas para os negócios anteriores aplicam-se aqui também, um bom site de apresentação e um cartão de visita apelativo são obviamente bons instrumentos para ganhar a concorrência.

Agora que já conhece algumas ideias de negócio com poucos custos, faça dos seus sonhos de ter um pequeno negócio uma realidade. Você pode aprender a criar um negócio com pouquíssimo dinheiro pela redução de custos e despesas operacionais. Use a Internet para divulgar os seus serviços ou artigos, pois atualmente uma boa parte da população está confortável em fazer compras e a adquirir serviços online.

Franchising – conheça as vantagens e desvantagens

Se quer criar o seu próprio negócio mas não tem ideias concretas sobre o que fazer ou não se sente preparado para o fazer sem um acompanhamento mais especializado então o franchising pode ser a solução que você procura.

O franchising é uma das estratégias de expansão utilizadas pelas empresas e traduz-se pela venda do direito de utilização da marca a uma pessoa ou empresa – o franchisado. Além do direito de exploração comercial da marca, a empresa apoia ainda o franchisado de diversas formas; garante o acesso ao know how específico do negócio, à exploração exclusiva de determinada área geográfica (ou seja, a empresa garante não fazer concorrência com a mesma marca na área geográfica explorada pelo franchisado) e permite o usufruto dos recursos da marca para efeitos publicitários.

Por outro lado, o franchisado responsabiliza-se pelo investimento inicial e pela exploração do negócio. As contrapartidas pelo direito à exploração da marca podem variar de franchising para franchising mas há conceitos básicos que são uma realidade em todos os contratos. Desta forma, o franchisado tem que pagar, geralmente numa base mensal, as royalties – que não são mais do que uma percentagem das vendas do franchisado (por vezes, embora mais raro, as royalties incidem sobre os lucros do franchisado) – e a taxa de publicidade que é uma contribuição que cada franchisado faz para um fundo que se destina a ser utilizado no marketing dos produtos ou serviços oferecidos pela marca.

Vantagens do franchising

Quando comparado com a criação de um negócio “independente”, existem muitas vantagens em iniciar um negócio no regime de franchising. A mais importante prende-se com o facto do risco associado ao investimento ser menor, quer por via de haver uma estrutura e uma estratégia melhor organizadas, fruto da experiência de negócio da empresa-mãe, quer por, na maior parte dos casos, se iniciar um negócio com uma marca já conhecida do público-alvo. Os lucros do investimento variam consoante o negócio adotado e o setor em que ele se insere, no entanto, a estrutura montada permite chegar mais rapidamente ao lucro.

Iniciar um franchising é especialmente vantajoso se a marca já for conhecida do público em geral. Pelo lado dos clientes, o reconhecimento da marca fará com que o potencial de vendas seja maior desde o início de atividade mas o reconhecimento por parte dos fornecedores é também importante na medida em que, ao conhecerem o historial da marca, estão perfeitamente cientes daquilo que podem esperar dela, podendo fazer cedências, por exemplo, em termos de aumento do crédito ou dos prazos de pagamento.

Trabalhar dentro de uma rede de lojas permite também ter um certo grau de proteção no que diz respeito à concorrência e o know how específico do negócio fornecido pela empresa-mãe é também um fator de sucesso que poderá impulsionar o negócio.

Desvantagens do franchising

Como em todos os negócios, também neste tipo particular de negócio há desvantagens. No entanto, considera-se na maioria dos casos que, face às vantagens associadas, as desvantagens têm pouco peso.

Para poder usufruir de todas as vantagens já enumeradas, o franchisado tem de pagar à empresa-mãe. Este pagamento é feito, por um lado, em troca do usufruto da marca e do conhecimento técnico transmitido e por outro, como contribuição para um fundo destinado aos gastos em publicidade e marketing.

Além disso, o franchisado é obrigado a seguir as regras do franchisador (empresa-mãe) que foram estipuladas no contrato assinado. Consoante o contrato, o franchisado pode ainda estar dependente das estratégias definidas pelo franchisador em relação, por exemplo, à gestão da marca e aos mercados onde a marca está implementada.

 

Em cada caso, o empreendedor deverá negociar o contrato com a empresa-mãe e avaliar quais as melhores condições que consegue para que o negócio seja sustentável e financeiramente recompensador. Além destas considerações gerais, há empresas que incluem outras cláusulas nos contratos pelo que deve ser feita uma avaliação ponderada e bem informada de cada situação.

Empresário em Nome Individual ou Sociedade Unipessoal?

Na hora de criar o seu negócio, o primeiro passo é definir o estatuto jurídico pretendido, do qual dependerá o processo de criação da empresa. Para dar este passo, deve comparar as diversas opções e escolher a que mais se adequa ao seu projeto e setor de atividade. Conheça as principais opções, com especial destaque para as diferenças entre um Empresário em Nome Individual e uma Sociedade Unipessoal por Quotas.
Em Portugal, a criação de empresas é regulamentada pelo Código das Sociedades Comerciais (CSC), aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de setembro. Existe também legislação específica que regulamenta o regime jurídico de cada tipo de sociedade comercial.

Se vai criar um negócio sozinho, pode optar por ser um Empresário em Nome Individual, por uma Sociedade Unipessoal por Quotas ou por um Estabelecimento Individual de Responsabilidade Limitada. Esta última titularidade tem caído em desuso.
Na fórmula jurídica Empresário em Nome Individual, o titular é uma só pessoa que afeta os seus bens à exploração do negócio (responde ilimitadamente pelas dívidas contraídas no exercício da sua actividade). Pode desenvolver atividade nos sectores: comercial, industrial, serviços ou agrícola. Não é obrigatório constituir uma empresa. O empresário deverá adotar o seu nome civil completo ou abreviado do empresário individual.

No caso de uma Sociedade Unipessoal por Quotas, uma pessoa (singular ou coletiva) é titular da totalidade do capital social. A estas sociedades aplicam-se as normas relativas às sociedades por quotas. A responsabilidade do sócio está limitada ao montante do capital social, que pode ser livremente fixado pelo sócio. O nome da firma inclui as palavras “Sociedade Unipessoal” ou “Unipessoal” antes de “Limitada” ou da abreviatura “Lda”.

As principais diferenças entre um Empresário em Nome Individual e uma Sociedade Unipessoal por Quotas assentam na personalidade jurídica e na responsabilidade social.
O primeiro é titular de rendimentos da categoria B. Enquanto o segundo tem personalidade jurídica e fiscal diferente do seu único sócio e são-lhe aplicadas as normas do Código das Sociedades Comerciais e outras normas do direito societário.
No caso de um Empresário em Nome Individual não existe separação entre o património pessoal e o afeto à sociedade, o que significa que responde ilimitadamente pelas dívidas contraídas no exercício da sua atividade perante os seus credores com todos os bens que integram o seu património. Enquanto na Sociedade Unipessoal por Quotas a responsabilidade está limitada ao montante do capital social.

Como posso tornar-me Empresário em Nome Individual? De acordo com a Autoridade Tributária, bastará coletar-se nas Finanças. No entanto, se o empresário pretender poderá criar a sua empresa. Para tal, existem várias formalidades associadas, tais como o preenchimento e a entrega de vários documentos. Todos os detalhes podem ser consultados no Portal da Empresa ou no síte do IAPMEI.

Quanto ao regime contabilístico, pode ser simplificado ou contabilidade organizada, tudo vai depender dos seus objetivos. Seja qual for a opção, tem que se manter no mesmo regime durante 3 anos. Em regra, quanto maior a atividade mais se justifica o regime de contabilidade organizada. A partir de um volume de vendas de cerca de 150 mil euros é obrigatória a opção pela contabilidade organizada.

Quais os custos para abrir uma empresa?

Se está a pensar em iniciar o seu próprio negócio, é importante que, antes de se comprometer com qualquer tipo de investimento, se informe muito bem relativamente a todos os custos envolvidos na abertura de uma empresa. Manter-se bem informado e não agir sem antes ter as contas muito bem feitas é essencial para evitar problemas mais sérios no futuro.

Custo de registar uma empresa

Hoje em dia, a forma mais simples, rápida e económica de abrir uma empresa é através dos balcões “Empresa na Hora”, onde é possível proceder ao registo da sua empresa em nome individual, ou em sociedade, de forma imediata. Estes postos encontram-se espalhados de norte a sul do país, e através deles é possível completar todo o processo de criação de uma empresa em menos de uma hora, seja ela uma sociedade unipessoal por quotas, uma sociedade por quotas, ou uma sociedade anónima.

O custo de registo comercial é de 360 euros. No caso de sociedades que apresentem o desenvolvimento tecnológico ou o a investigação como o objeto social, pagam apenas 300 euros. O valor pode ser pago no momento de constituição da empresa, seja por numerário, cheque ou multibanco.

Em caso de constituição de sociedades com entradas de bens ou imóveis ou participações sociais sujeitos a registo, acresce o valor de 50 euros por imóvel, quota, ou participação social, 80 euros por cada bem móvel e 20 euros por ciclomotor, motociclo, triciclo ou quadriciclo com cilindrada não superior a 50 cm3, até ao limite de 30 mil euros.

Será, também, necessário liquidar IMT, entre outros impostos relacionados com a natureza do negócio.

Custos iniciais

Durante o primeiro ano, a empresa não necessitará de efetuar pagamentos por conta e pagamentos especiais por conta.

Entre os valores a serem pagos ao estado, está o IRC (21%) e o IVA que tenha liquidado, à taxa de 23,25%, 13% ou 6%, dependendo da natureza do serviço prestado.Também é preciso contar com a derrama municipal, que em certos casos poderá chegar a 1,5%. Em vez de IRC, os empresários em nome individual terão de tributar os rendimentos em sede de IRS.

A empresa terá a possibilidade de optar entre um regime simplificado ou contabilidade organizada, em função dos rendimentos registados. Ambos os regimes possuem prós e contras, por isso é importante estudá-los muito bem antes de proceder a uma decisão final.

Existem ainda outras despesas que poderá vir a ter, dependendo das características da sua empresa:

– Seguros
– Publicidade
– Técnico oficial de contas
– Arrendamento
– Juros bancários
– Água
– Telefone
– Internet
– Ordenados
– Viaturas

7 formas de trabalhar como freelancer

Em tempos de crise, trabalhar como freelancer pode ser uma boa alternativa para manter uma fonte de rendimento. Há cada vez mais empresas a recorrerem aos serviços de outsourcing, o que aumenta a oferta no que se refere a oportunidades de trabalhos esporádicos para freelancers. Só tem que estar atento as oportunidades e procurar as que mais se adequam às suas competências. Neste artigo, vou mencionar algumas sugestões de trabalhos por conta própria, sem deixar de sublinhar que o sucesso está em dedicar-se no que mais gosta de fazer.

No entanto, para ser bem sucedido no mundo do trabalho como freelancer, tem que criar uma marca diferenciadora, e comunicar claramente a sua proposta de venda. Crie um site/ blog e contas nas redes sociais, para que os seus potenciais clientes vejam aquilo que lhe destaca. Pode também construir um portfólio e utilizar o testemunho de clientes satisfeitos com os seus trabalhos anteriores. Quando tiver um bom portfólio e bons testemunhos sobre o seu trabalho, pode começar a fazer contatos com os seus potenciais clientes, e o Google é uma excelente ferramenta para o fazer.

Eis alguns exemplos de trabalhos possíveis em regime freelancer:
1. Criador de conteúdos / escritor – Com a proliferação de sites na internet, há sempre necessidade de conteúdos. Por isso, se é bom com as palavras, uma boa opção é escrever artigos para blogs e sites. Existem inúmeros portais onde pessoas e empresas procuram freelancers para escrever sobre os mais variados temas. Pode começar por ter um blog próprio e assim terá um portefólio online para promover o seu trabalho.

2. Tradutor – Fazer traduções é também uma excelente forma de trabalhar como freelancer. São muitos os anúncios na internet a solicitar profissionais, em regime de prestação de serviços, para fazer traduções pontuais, desde trabalhos de escola a do emprego, e desde artigos a livros.

3. Designer – Para um designer freelancer, a construção de um portefólio torna-se ainda mais importante, para poder mostrar aquilo de que são capazes. Se o divulgar, certamente o vão procurar para trabalhos. Até pode começar por pequenos trabalhos, como a elaboração de um anúncio, mas depressa começa a dar frutos com trabalhos de maior envergadura.

4. Explicador/professor – Se domina um idioma ou alguma outra disciplina e sabe ensiná-la, uma boa opção é oferecer explicações aos estudantes. Uma outra alternativa passa por gravar alguns vídeos de explicações e publicá-los no Youtube, podendo assim obter algum rendimento através da publicidade.

5. Fotógrafo – Ser freelancer na área da fotografia é outra das opções possíveis. Pode fornecer serviços como fotógrafo para as agências imobiliárias ou colaborar na reportagem fotográfica de eventos.

6. Guia turístico – Coloque a sua paixão pelo país ou pela cidade onde vive ao serviço de quem está de visita. Para ganhar algum dinheiro extra, vista o papel de guia turístico apoiando os grupos que por cá passam. Seja todo o ano ou apenas na chamada época alta.

7. Lojas virtuais – Pode vender produtos criados por si ou então revender produtos de terceiros. Construa uma loja virtual para divulgar o seu produto. Para ter sucesso, precisará de ter prazos de entrega competitivos. Muitas vezes este fator é mais relevante do que o preço.
Conheça algumas dicas para construir uma loja online de sucesso (AQUI)

Agora que já conhece algumas formas de ganhar dinheiro como freelancer, pode começar a planear o seu negócio. No começo, provavelmente, não vai ter uma clientela garantida, a dica é encarar esta atividade como um rendimento extra,

Leia também
como planear a criação de um negócio
5 sites para quem quer ser freelancer