SOFT SKILLS – Impulsione a carreira com ajuda destas 6 soft skills

Já lá vai o tempo em que as empresas valorizavam apenas as competências técnicas dos seus profissionais. Hoje em dia a realidade é outra. Com a evolução do mercado de trabalho, essas competências já não são suficientes para se ser considerado um ativo importante da empresa. Além das necessárias competências técnicas, são ainda valorizadas as chamadas soft skills. De uma forma simples, estas são atitudes e comportamentos que ajudam a facilitar a interação humana e a melhorar o desempenho profissional. Conheça de seguida 6 soft skills que irão ajudar a impulsionar a sua carreira.

1 – Perseverança

Esta é uma das soft skills mais apreciadas em contexto profissional. A capacidade de focar-se nas soluções e não nos problemas perante um obstáculo é essencial para ultrapassar as adversidades e alcançar um determinado objetivo. Assim, um profissional perseverante conseguirá manter-se focado em descobrir uma solução sem nunca perder a motivação.

2 – Atitude positiva

Hoje em dia dá-se cada vez mais valor aos profissionais que encaram cada dia com uma atitude positiva, com alegria, entusiasmo e energia, não só porque são mais produtivos no seu trabalho, mas também porque podem contagiar essa boa atitude a outros colegas.

3 – Pensar “outside the box”

Esta expressão inglesa significa simplesmente pensar de uma forma mais criativa. Tendo em conta a complexidade dos problemas que surgem atualmente em contexto laboral, ter a capacidade de pensar em soluções criativas e eficazes que resolvam um problema e colocá-las em prática é algo muito valorizado pelas empresas.

4 – Trabalhar em equipa

O trabalho colaborativo é uma competência muito procurada pelas empresas. O trabalho em equipa traz inúmeros benefícios para a produtividade. Como tal, hoje em dia são cada vez mais procurados profissionais que tenham facilidade em trabalhar em equipa, em detrimento de pessoas que tenham dificuldade em colaborar e ajudar os colegas. Essa colaboração e entreajuda são essenciais para se atingir os objetivos globais da empresa.

5 – Saber gerir o tempo

A gestão do tempo é hoje em dia uma competência essencial para se conseguir produzir mais no mesmo período de tempo. Conseguir organizar o trabalho através da definição de objetivos, prioridades e prazos, é algo que as empresas valorizam bastante.

6 – Saber comunicar

Saber comunicar com facilidade é uma competência muito procurada pelas empresas. Esta soft skill permite, por exemplo, estabelecer boas relações com as pessoas que o rodeiam, saber fazer contactos com facilidade, ou ainda, ter a capacidade de influenciar positivamente as pessoas relativamente a um produto, projeto ou serviço.

Desenvolva soft skills e atinja o seu potencial profissional

Há ainda mais algumas soft skills valorizadas pelo mercado de trabalho tal como a capacidade de aprendizagem, saber resolver conflitos, conseguir adaptar-se facilmente a novas situações, entre outras. Se depois deste artigo perceber que não possui algumas destas soft skills, seria importante começar já a desenvolver as competências em falta. Tendo em conta a crescente valorização das soft skills pelo mercado de trabalho, elas são essenciais para alcançar todo o seu potencial profissional.

7 erros a evitar ao lançar o seu negócio

Lançar um negócio, seja como uma alternativa ao desemprego, ou resultante de um desejo pessoal que sempre existiu. Independentemente do motivo, todos os novos negócios procuram o mesmo: alcançar o sucesso.

Para que alcance o sucesso, necessita de planos, de estratégia, de financiamento e de mercado. Mas sobretudo, de uma equipa motivada e focada. Seja qual for o objetivo, o caminho para o sucesso tem obstáculos e há alguns erros que os empreendedores não podem cometer.
Conheça de seguida 7 erros que podem arruinar o seu negócio:

1. Dispersar-se
É fundamental manter-se focado no que é o mais importante. Por isso, dedique o tempo disponível nos seus objetivos principais. O mais importante é manter-se fiel a sua estratégia, ao seu produto e ao seu mercado, evitando a tentação de fazer tudo o que lhe passa pela cabeça.

2. Descurar o tempo
Gere o tempo com sabedoria para cumprir os prazos e aumentar a produtividade da sua empresa. Se, por um lado, é importante trabalhar para atingir os objetivos, por outro, deve estar precavido para o inesperado. Por isso, o melhor é criar rotinas, planos e manter-se disciplinado.
Saiba como aumentar a produtividade no trabalho (AQUI)

3. Ignorar a concorrência
O empreendedor deve conhecer muito bem o mercado em que atua, para poder adiantar-se, inovar ou lucrar com as fraquezas dos concorrentes. Uma das melhores formas de alcançar o sucesso no seu setor de negócio, passa por saber como posicionar e como tirar partido das caraterísticas que diferenciam o seu negócio.

4. Não apostar na inovação
As pessoas gostam de novidades. Pelo que ao longo do tempo, é importante que não descure a capacidade de surpreender os seus clientes e parceiros, com novos serviços, produtos ou reformulação dos mesmos. Se não o fizer, depressa pode surgir um concorrente que vai fazê-lo por si, correndo assim o risco de arruinar o seu negócio.

5. Contratar as pessoas erradas
Opte por contratar colaboradores com perfis diversificados e capazes de se adaptarem a várias funções. Aposte em profissionais especializados em áreas vitais da empresa. Jamais contrate colaboradores que não se identificam com o projecto.
Saiba também quanto custa um trabalhador para uma empresa

6. Ter uma equipa desmotivada
Uma boa liderança reflecte-se em uma boa equipa. É verdade que para formar uma equipa de sucesso é preciso ter as competências técnicas, mas não descure o investimento nas competências pessoais. Saber motivar a sua equipa (e manter-se motivado) nas boas e nas más fases da empresa, é fundamental.

Criar uma cultura de trabalho na empresa, que permita que os colaboradores se exprimam e possam sentir-se à vontade com o seu líder, pode ajudar a encontrar soluções para os problemas.
Conheça algumas estratégias para motivar os seus colaboradores (AQUI).

7. Assumir que sabe tudo
Seja humilde e esteja disposto a aprender, principalmente com outros empreendedores mais experiêntes. Quanto mais aprende, mais apto estará a tomar decisões rápidas e a fazer ajustes no negócio.

Conheça 10 características que os recrutadores valorizam

As características pessoais de um candidato podem constituir um fator de grande importância no momento de serem avaliados por um recrutador. Ainda que o currículo e os conhecimentos técnicos possuam também um certo peso, a verdade é que o candidato não será apenas avaliado por aquilo que sabe fazer, mas também por aquilo que é enquanto pessoa.

De seguida, ficam 10 das características mais valorizadas por um recrutador:

Capacidade de trabalhar em equipa

O trabalho de equipa é uma peça fundamental na esmagadora maioria das atividades profissionais. Assim sendo, deixar bem claro que possui um bom espírito de equipa poderá aumentar significativamente as suas probabilidades de ser contratado.

Ética

A demonstração de valores éticos adequados e de um comportamento profissional exemplar é uma das mais importantes características a demonstrar, não só num processo de avaliação, como também no seu dia a dia profissional.

Consistência

A capacidade de manter uma atitude profissional consistente, sem espaço para surpresas desagradáveis, poderá ajudá-lo a preservar o seu posto de trabalho por muitos anos.

Responsabilidade

Um recrutador dará sempre prioridade a um profissional que demonstre uma boa capacidade de honrar as suas responsabilidades profissionais, uma vez que essa é uma qualidade que inspirará sempre confiança e sentimento segurança em qualquer empregador.

Boa capacidade de comunicação

Qualquer atividade profissional está dependente de uma boa dinâmica de comunicação entre o patrão, o empregado e os clientes. Assim sendo, saber entender e passar uma mensagem fará sempre com que o seu desempenho profissional se revele em devida conformidade com as expectativas do recrutador.

Flexibilidade

Numa época em que os cargos e as tarefas são cada vez mais multidimensionais, apresentar a capacidade de desenvolver diversas atividades é algo que poderá melhorar substancialmente as suas probabilidades de vir a ser contratado e manter um emprego fixo por muitos anos.

Capacidade de trabalhar sob pressão

Um trabalhador que saiba atuar eficazmente sob pressão tende a ser extremamente valorizado por qualquer tipo de empresa. Em situações em que o trabalho se revele complexo e o tempo seja escasso, é importante demonstrar que sabe como lidar com a situação e levar eficazmente a cabo as tarefas que lhe forem solicitadas, mesmo em circunstâncias mais adversas.

Auto-motivação

Um trabalhador que apresente um elevado grau de motivação será sempre encarado com bons olhos por uma empresa, uma vez uma boa produtividade só poderá ser alcançada por trabalhadores verdadeiramente motivados.

Boa capacidade de organização

Saber gerir e organizar tarefas é uma capacidade que poderá contribuir para um desempenho mais eficaz de qualquer tipo de tarefa profissional.

Positivismo

Ter uma atitude positiva é essencial para superar certos obstáculos. No universo profissional, as coisas nem sempre correm bem, por isso é preciso ter a capacidade de manter a cabeça erguida e saber procurar soluções viáveis para os problemas, sem nunca perder a convicção de que os mesmos podem ser superados.

Conheça as profissões mais bem pagas em Portugal

Tendo em conta a atual conjuntura económica e a dificuldade crescente em arranjar emprego, tanto para trabalhadores menos qualificados como para os mais qualificados, damos-lhe a conhecer neste artigo as áreas onde se registam melhores remunerações em Portugal.
De facto, existem empresas e setores onde os efeitos da crise económica não são sentidos, garantem salários acima da média (900€/mês, segundo estudo da EGOR) já no início da carreira. Além disso, independentemente dos altos e baixos da economia, há profissões que se mantém valorizadas no mercado de trabalho, seja pela elevada procura existente por profissionais qualificados, seja por especializações que atendem às novas necessidades do mercado. A lista das profissões mais bem pagas é mais vasta do que se possa pensar e inclui áreas diversificadas.
Dinheiro não é tudo. Mas com certeza são muitos os que consideram a perspetiva salarial como um fator de peso para a tomada de decisão, relativamente ao caminho a seguir em termos profissionais. Se é o seu caso conheça abaixo algumas das profissões mais baem pagas em Portugal.

1. PILOTOS E CONTROLADORES AÉREOS
Um piloto de aviação civil leva para casa cerca de 8000€ por mês, enquanto os controladores de tráfego aéreo auferem cerca de 5000€ mensais. Sendo por isso duas das profissões mais bem remuneradas. Os elevados salários são, no entanto, justificados dado o elevado nível de exigência em termos pessoais, mentais e físico.

2. MARKETEER ESTRATÉGICO
Marketing Estratégico é uma área que apresenta bons níveis de empregabilidade e oferece boas perspetivas de crescimento profissional (à escala global). Sem falar claro das margens salariais. Por exemplo, para profissionais em cargos de direcção em início de carreira (até 3 anos de experiência), o salário médio anual é de 21000€. Já um diretor de marketing (com 3 a 6 anos de experiência profissional) tem um salário médio a rondar os 30000€ anuais. A partir daí é sempre a subir.
Além dos cargos de direção, há ainda os chamados profissionais especializados, cujas remunerações por serviço prestado podem ascender a valores mais elevados consoante o nível de experiência.

3. BANCA
Os profissionais deste sector que ocupam cargos superiores (diretores de topo) auferem em média 7500€ por mês. A este valor, pode acrescentar-se ainda um bónus mediante o desempenho. São razões mais que suficientes para ser uma das profissões mais bem pagas em Portugal.

4. MÉDICOS
Os médicos de especialidade, tais como cirurgiões ou dentistas, ocupam um lugar de destaque na lista das profissões com melhores remunerações. Os salários dependem da experiência e/ou estatuto de cada profissional.

5. ADVOGADOS E JUÍZES
Tal como os médicos, estes profissionais integram também a lista das profissões com vencimentos mais elevados em Portugal. Para os juízes, os ordenados variam entre 4000€ a 7000€ mensais. No que diz respeito a remuneração dos advogados, é difícil atribuir um valor fixo, já que os seus honorários variam de acordo com a experiência que detêm e com o estatuto alcançado.

6. ENGENHEIRIAS TECNOLÓGICAS E DE PRODUÇÃO
Os engenheiros com formação nas novas tecnologias e sistemas de informação têm oportunidade de perspetivar uma boa evolução salarial. Dos cerca de 950€ a 1300€ iniciais, podem chegar a ganhar entre 3000€ a 5000€ por mês.

7. AUDITORES E CONSULTORES FINANCEIROS
Nesta área, a semelhança do que acontece no Marketing Estratégico, as remunerações variam de acordo com a experiência. Os auditores e consultores financeiros com até 3 anos de experiência, auferem cerca de 15000€ por ano. Esse valor dobra caso a experiência dos mesmos sejam superior a 3 anos.

8. INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA
Apesar de ser uma área não muito explorada em Portugal, existe procura. As remunerações são altas, tendo em conta a necessidade constante de investigação e pesquisa.

9. FUNÇÕES TÉCNICAS ESPECIALIZADAS
Para além das referidas acima, também devemos ter em conta as funções técnicas especializadas, como carpinteiros, canalizadores e eletricistas, por exemplo. São profissões muito procuradas e bem pagas tendo em conta que cada vez existem menos profissionais nessas áreas, em Portugal.

Notas:
– A lista apresentada acima não obedece nenhuma ordem de acordo com tabela salarial.
– Todos os valores mencionados são valores brutos.

11 dicas essenciais para conduzir uma entrevista de emprego

Escolher quem contratar é uma das mais importantes decisões em Recursos Humanos, e de todos os instrumentos utilizados pelas organizações para seleccionar candidatos, a entrevista é o mais utilizado.
A entrevista envolve um conjunto de regras, mais ou menos estruturação e, acima de tudo, envolve risco. De facto, a entrevista pode carecer de validade como um meio de fazer previsões sólidas do desempenho do candidato, na medida em que depende da competência e subjectividade do entrevistador e não avalia necessariamente a competência face às exigências do posto de trabalho em particular, podendo levar a julgamentos enviesados. Ou seja, existem tendências e erros que enfraquecem o sucesso de uma entrevista.

Foi estimado que em 85% dos casos, os entrevistadores já se tinham decidido antes de a entrevista iniciar, com base nas primeiras impressões extraídas do curriculum vitae dos candidatos, das referências e da aparência pessoal. Além disso, assim que a entrevista começa e mesmo antes do candidato começar a falar, são criadas impressões no modo como este entra pela porta, no seu aperto de mão (se é firme e confiante), na sua postura, se sorri ou não. Portanto, verifica-se uma forte influência das expectativas do comportamento socialmente aceite e as desenvolvidas pelas impressões referidas acima, dando origem profecias auto-confirmatórias. Isto é, se as impressões forem negativas, o entrevistador procura informação negativa para confirmar as suas expectativas iniciais e, se as impressões forem positivas, enfatiza a informação positiva para confirmar as suas expectativas iniciais, tratando melhor os entrevistados. A informação negativa tem mais peso do que a positiva sendo, portanto, uma tarefa muito complicada para o candidato anular uma primeira impressão negativa e conquistar o entrevistador.

Para contornar esta problemática das tendências do entrevistador, o primeiro passo é reconhecer que estamos sujeitos a estes enviesamentos, o segundo passa por encontrar formas de ultrapassar a questão. Conheça abaixo algumas dicas que podem ajudar a escolher o candidato ideal:

1. Como entrevistador deve tratar todos os candidatos com justiça, igualdade e consistência. Deve evitar o uso de estereótipos já que estas criam enviesamentos. Deve estar atento para não deixar que a atractividade, o género, a idade, a raça e o sotaque dos candidatos distorçam as suas avaliações e sejam discriminativos.

2. É muito importante saber o que se procura num candidato ideal. Por isso, um maior conhecimento da função traduz-se numa melhor entrevista. Um descritivo de função muito vago ou ambíguo leva a que os entrevistadores tenham ideias vagas sobre os factores de sucesso daquela função, tomando as suas decisões baseados em estereótipos incorrectos sobre aquilo que é ser um bom candidato, fazendo uso da intuição.

3. Deve seguir um plano de entrevista estruturado que vai ajudá-lo a alcançar a equidade no processo.

4. O candidato deve sair da entrevista com a sensação de que a empresa e o entrevistador o trataram de forma justa e com dignidade. Esta questão torna-se ainda mais importante quando o resultado da entrevista não é favorável.

5. O entrevistador deve ser relembrado de que é o representante da organização, por isso cabe a este garantir que o candidato se sente à vontade e confortável durante a entrevista, independentemente do seu resultado.

6. Tem em atenção para não falar demasiado e os candidatos não ter tempo para responder às questões ou, na situação oposta, deixar o candidato dominar a entrevista sem conseguir fazer todas as perguntas.

7. Rever a entrevista logo após a saída do candidato permite minimizar julgamentos precipitados. Deve ser feito um registo das respostas, uma posterior revisão e só depois deve ser tomada uma decisão.

8. É importante que o entrevistador faça uma comparação das avaliações dos diferentes candidatos entrevistados. No final, pode haver apenas um candidato excelente, mas muitas vezes há dois ou três. Nestas circunstâncias, o entrevistador deve ter uma visão equilibrada sobre quais os candidatos que mais se ajustarão à função e à empresa.

9. O entrevistador não deve deixar-se influenciar pelo factor clone, isto é, o entrevistador dá classificações mais altas à competência de candidatos que têm características semelhantes a ele próprio, em vez de fazer uma comparação com os requisitos da função.

10. Deve ter também em atenção em não cair no “erro da ordem” pela qual os candidatos são entrevistados, porque isso vai influenciar o modo como são avaliados. Por exemplo, contrastando com candidatos desfavoráveis entrevistados primeiro, um candidato mediano irá parecer melhor do que realmente é.

11. O entrevistador deve tomar e guardar notas sobre as razões da sua escolha e o porquê dos candidatos terem sido rejeitados.

Saiba como recrutar voluntários para a sua organização

Abrir as portas da sua organização ao trabalho voluntário poderá obrigar a planeamento e requer tempo, energia, criatividade e persistência. Conheça sete estratégias possíveis para recrutar voluntários:

Definir uma política de voluntariado – O primeiro passo é estipular uma política de voluntariado, tomar decisões como que despesas serão suportadas, quais os seguros a conceder, as regras de saúde e segurança, os benefícios sociais, etc…

Criar o perfil do voluntário – O passo seguinte é traçar um perfil para os voluntários da sua organização. Pense na faixa etária adequada para os trabalhos a realizar, nas qualidades humanas a possuir, na proximidade do local, entre outros critérios. O critério de localização é muito importante para este tipo de recrutamento.

Divulgar o anúncio – Divulgue o anúncio de voluntariado exaustivamente. Recorra à imprensa local, coloque folhetos em locais estratégicos, aposte nas redes sociais e recolha testemunhos de antigos voluntários.
A mensagem dos seus anúncios de recrutamento deverá ser clara e sintética, apresentando a organização e explicando a sua missão. A informação deverá abordar as tarefas a desempenhar e a duração do trabalho, além dos aspetos relacionados com a formação e os apoios.

Eliminar barreiras – A maioria dos portugueses nunca exerceram trabalho voluntário porque nunca foram proativos na pesquisa de uma oportunidade, têm dúvidas sobre os direitos e deveres do voluntário ou nunca foram convidados por uma organização. As organizações deverão esclarecer e/ou encontrar soluções para ultrapassar estas barreiras.

Marcar sessões para incentivar a adesão – Faça apresentações do programa, o que é desejado dos voluntários e o que lhes é oferecido. Convide antigos voluntários para estar nessas sessões, para incentivar os novos, e aproveite para entregar fichas de candidatura às pessoas interessadas.

Não discriminar – Recrute voluntários de todos os géneros, etnias, faixas etárias e mesmo pessoas com deficiência podem ajudar. Deve recrutar com base nas competências de cada candidato.

Selecionar – No processo de seleção, tenha à sua disposição formulários de candidatura, faça entrevistas e proporcione igualdade de oportunidades, selecionando os candidatos que lhe pareçam mais capazes, dinâmicos e positivos.