5 questões para saber se a sua carreira está no rumo certo

Você gosta daquilo que faz? Olha para o futuro e sente que o seu trabalho irá ser recompensado? Tem metas bem definidas e está a conseguir atingi-las? Todas estas são perguntas que devem ser colocadas num hábito de reflexão pessoal, de modo a fazer uma autoavaliação da sua vida, tanto profissional, mas também, pessoal. Se tem dúvidas sobre o rumo da sua carreira, é essencial fazer um exercício de avaliação e questionar-se sobre alguns aspetos. De seguida deixamos 5 questões poderosas que o vão ajudar a saber se a sua carreira está no rumo certo.

A atividade/profissão que estou a exercer dá-me felicidade?

Claro que o objetivo principal de qualquer atividade profissional é ganhar dinheiro para poder sustentar-se a si e à sua família. Contudo, para que se sinta bem com o que está a fazer e tenha equilíbrio na sua vida pessoal, é fundamental sentir-se feliz no trabalho. Por isso, esta é uma das primeiras questões que tem de fazer a si próprio.

Quais as minhas metas profissionais para este ano?

Você define as suas metas profissionais anualmente ou anda “ao sabor da corrente”? Para que a sua carreira profissional não estagne é necessário que evolua, e para isso é essencial definir como quer crescer dentro da sua profissão.

Consigo atingir as minhas metas?

A verdade, “nua e crua”, é que nem todas as pessoas têm o mesmo sucesso dentro da área profissional onde se encontram. E muitas vezes, por comodismo, ou simplesmente, por receio do desconhecido, muitas pessoas acabam por se acomodar a uma atividade onde não são particularmente talentosas, e dessa forma, sujeitar-se a metas pouco ambiciosas, ou então, a falhá-las muitas vezes. Você consegue atingir as metas que define no início do ano? Se não, então talvez a sua carreira não esteja no rumo certo.

Onde me vejo daqui a 10 anos?

Esta é uma pergunta poderosa que vai fazê-lo pensar bastante. Onde se vê daqui a 10 anos? Se, após uma reflexão séria e realista, você olhar para o seu futuro a médio prazo e ver-se numa posição de sucesso, então está motivado e a trabalhar para crescer na sua profissão. Pelo contrário, se daqui a 10 anos se vê exatamente no mesmo ponto onde se encontra hoje, então isso diz algo do rumo da sua carreira.

Consigo ser bem sucedido e ter tempo para a família ou amigos?

Para muitas pessoas, ser bem-sucedido numa atividade profissional é simplesmente crescer dentro da empresa e aumentar os ganhos de uma forma gradual e consistente. Contudo, em muitas profissões, muitas vezes esse crescimento é acompanhado de maiores responsabilidades e menos tempo disponível para o lazer, para a família e para os amigos. Para que se sinta realizado e feliz com a sua carreira, esse equilíbrio tem que existir. Se consegue ser feliz com o que está a fazer, as suas metas estão a ser atingidas, sente-se motivado para a sua profissão, e ainda assim, consegue ter tempo para a sua família e para as suas atividades de descanso e lazer, então está no bom caminho.

Conheça 10 profissões para quem gosta de trabalhar sozinho

Se há muitas pessoas que adoram o convívio com os colegas de trabalho e sentem-se melhor a trabalhar em equipa, já outras preferem ter pouco contacto com outras pessoas. As razões são várias, desde ser uma pessoa mais solitária, querer um ambiente mais concentrado, até preferir fazer as coisas à sua maneira, sem distrações ou intervenções de outros. Conheça de seguida 10 profissões para quem gosta de trabalhar sozinho.

Profissões para quem gosta de trabalhar sozinhos

Os seguintes exemplos abrangem áreas muito diversas, que incluem profissões com variados níveis de qualificação.

Motorista

Um motorista, seja de táxi, de camiões ou de transportes públicos, passa muito tempo sozinho durante as suas viagens. Os camionista então, passam todo o tempo sozinhos, tendo como única companhia o rádio.

Investigador

Em qualquer área de investigação, o trabalho em isolamento, além de ser uma realidade, é uma necessidade. Seja na pesquisa de informação, seja na análise científica, seja no trabalho prático em laboratório, a investigação é uma área que requer muito trabalho solitário.

Tradutor

Uma das profissões que pode ser feita a partir de casa é a de tradutor. Dessa forma, o tradutor pode trabalhar num ambiente calmo e sem ninguém em seu redor, tendo apenas de cumprir as especificações requisitadas e o prazo definido.

Programador

Um programador tem a função de criar programas informáticos. Como tal, boa parte do seu trabalho é em frente a um computador. Mesmo que esteja rodeado de outras pessoas, o trabalho acaba por ser bastante focado sem grandes interações com os colegas. É também um trabalho que é cada vez mais feito a partir de casa, aí sim, completamente sozinho.

Escritor

De uma forma geral, os escritores necessitam de trabalhar sozinhos de modo a libertarem o seu espírito criativo. Além disso, a concentração conseguida nesses momentos de solidão é essencial para organizar e estruturar a história.

Designer gráfico

Os designers são profissionais que ocupam a maior parte do seu tempo em trabalho individual. É também uma profissão onde ser freelancer é cada vez mais habitual, trabalhando a partir de casa.

Consultor

Um consultor é um profissional especializado numa determinada área que realiza consultoria a outras empresas, fazendo recomendações e ajudando a resolver determinadas situações. É por isso um profissional que geralmente trabalha sozinho.

Segurança

Considerado por muitos uma das profissões mais aborrecidas do mundo, é no entanto perfeito para todos aqueles que pretendem um trabalho sem grandes interações humanas.

Auditor

Tendo em conta a quantidade de dados que um auditor necessita de recolher e analisar, esta profissão exige um trabalho de grande concentração. Como tal, esta é uma profissão onde o isolamento é essencial.

Analista

Um analista tem como função analisar orçamentos ou riscos. Como tal, para o conseguir fazer de uma forma eficaz e eficiente necessita de avaliar um grande conjunto de dados e variáveis. É assim uma profissão que requer que o profissional passe muito tempo sozinho, em sossego e completamente concentrado.

Se gosta de trabalhar sozinho tem aqui 10 sugestões que pode abraçar para a sua vida profissional.

Dicas para o ajudar a definir metas para a sua carreira

Planeamento é uma das palavras-chave que fazem a diferença entre atingir ou não o sucesso profissional ao longo da sua vida. E um dos aspetos essenciais num correto planeamento da carreira é a definição de metas. Estas irão ser marcos que o orientarão ao longo da sua vida profissional. Porque ter objetivos claros sobre o que pretende alcançar irá ajudá-lo a ter uma visão a curto, médio e longo prazo, do seu percurso. Além disso, trabalhar com metas bem definidas torna-o mais focado e motivado, promovendo ainda a colocação e utilização eficiente das suas capacidades.

Contudo, definir objetivos de carreira não deve ser feito de ânimo leve. Metas orientadoras para a sua carreira profissional não podem limitar-se a ser uma simples lista de desejos. Para o ajudar a definir metas objetivas e criteriosas para a sua carreira, deixamos várias dicas que consideramos essenciais. Saiba mais.

Dicas para a definição de objetivos para a carreira

Criar metas globais, objetivos parciais, analisar competências e capacidades, avaliar a exequibilidade, etc., são tudo aspetos a ter em conta quando definir o que pretende alcançar na sua carreira. Conheça de seguida várias dicas que o vão ajudar.

Dica 1 – Comece por criar uma visão abrangente e global daquilo que pretende atingir ao longo da sua carreira. Essa visão permitirá definir uma linha orientadora que irá unir todos as metas.

Dica 2 – Após a definição das principais metas, a tal visão global de que falamos no ponto anterior, deve então criar um conjunto de objetivos para cada uma delas. Ou seja, vários patamares que deverá alcançar de modo a chegar ao objetivo final. Estes patamares permitirão mais facilmente manter-se motivado, e ao mesmo tempo, facilita a visualização do seu progresso.

Dica 3 – Não vale a pena escolher objetivos pouco claros. Exemplos: “ser rico”, “ser o dono de uma empresa”, etc. Seja específico. Se pretende atingir um determinado patamar numa empresa, deve ser claro sobre que patamar é esse.

Dica 4 – Definir metas para a sua carreira não é o mesmo que criar uma lista de desejos. Deve analisar muito bem as suas competências, as suas capacidades e os seus recursos, e depois, tendo isso em conta, definir uma meta realista.

Dica 5 – Definir metas sem estabelecer um prazo é geralmente meio caminho andado para o seu não cumprimento. Defina uma meta temporal, que seja realista mas não seja demasiado descontraída. Esse prazo deve ser exequível, mas ao mesmo tempo, deve estimulá-lo a avançar. Estabeleça ainda uma linha temporal, onde o prazo para cada um dos objetivos parciais esteja bem definido.

Dica 6 – A vida não é feita apenas de trabalho, e por mais que deseje o sucesso profissional, e este seja importante para a vida pessoal, isso não signifique que deva ser a sua prioridade máxima. Afinal, o equilíbrio é a palavra-chave para o bem-estar emocional e familiar. Como tal, defina um plano ambicioso, mas que nunca coloque em causa o tempo com a sua família.

Siga estas dicas e conseguirá definir claramente o que pretende na sua carreira e como atingir essas metas.

Aproveite as redes sociais para se tornar mais empregável

Se está a procurar trabalho, então há alguns pontos essenciais nos quais tem que se focar. Além da necessária formação e experiência, é preciso também tornar-se mais “empregável” de modo a chamar a atenção dos potenciais futuros patrões de uma forma positiva. Atualmente as redes sociais são um ponto incontornável na vida da maior parte das pessoas, especialmente as profissionalmente ativas. A sua presença online tornou-se por isso mais um critério na possível escolha para uma vaga de emprego. De modo a aproveitar as redes sociais para se tornar mais empregável, escolhemos algumas dicas que consideramos importantes. Saiba mais.

Dicas para usar as redes sociais de modo a tornar-se mais empregável

Existem muitas redes sociais, sendo as mais relevantes o Facebook, o Twitter e o LinkedIn. Esta última pode por vezes ser muito útil, já que é uma rede social orientada para o mundo profissional. De modo a aproveitar estas redes sociais da melhor maneira para se tornar mais empregável, especialmente o LinkedIn, é importante seguir algumas dicas.

– Completar o seu perfil

O seu perfil pode dar muita informação relevante para os empregadores. No LinkedIn, especialmente, deve ter particular atenção em colocar tudo aquilo que considera importante para a vaga a que concorre, nomeadamente cargos já desempenhados, habilitações, idiomas, etc.

– Colocar exemplares de trabalhos seus

Em determinadas profissões é possível ter um portfólio. Caso seja essa a sua situação, não deixe de o divulgar através da rede social que utiliza.

– Ter uma fotografia adequada

Colocar uma fotografia bem divertida e descontraída pode ser uma excelente ideia numa rede social como o Facebook, mas no LinkedIn, um espaço mais virado para a vida profissional, o ideal é colocar uma fotografia adequada, sem no entanto ser demasiado informal ou formal. Escolha uma foto que o retrate num meio termo, de modo a chamar a atenção mas de uma forma positiva e diferenciada.

– Crie uma rede de contactos de qualidade

“Diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és”. Este ditado é muito importante na vida, seja ela pessoal ou profissional. Crie uma vasta rede de contactos através das redes sociais, mas ao mesmo tempo, tenha algum cuidado ao selecionar os convites que aceita. Os recrutadores que analisam o seu perfil irão também avaliar a quantidade, e sobretudo, a qualidade da sua rede de contactos.

– Recomendar

As recomendações, quando verdadeiras, são ótimas formas de aumentar a sua visibilidade. Assim, recomende as pessoas que confia profissionalmente. Além de mostrar que sabe avaliar uma pessoa competente, acabará depois por receber também recomendações por parte dessas pessoas.

– Use palavras-chave adequadas no LinkedIn

Quando um recrutador procura determinada profissão no LinkedIn, ele utiliza palavras-chave. Por exemplo, se procura um engenheiro informático, ele irá procurar por “engenheiro informático”, “Informática”, programação”, etc. Por isso, use um conjunto de palavras-chave específicas no seu perfil de modo a ser mais facilmente descoberto por um desses recrutadores.

– Crie uma imagem positiva

Esta dica está mais orientada para as redes sociais informais, como o Facebook e Twitter. Sendo mais descontraídas, são também palco de alguns excessos. Como tal, crie uma imagem virtual positiva, de modo a não afastar possíveis recrutadores.

A quantos dias de férias tenho direito?

Por lei, todos os trabalhadores por conta de outrem têm direito a gozar um determinado número de dias de férias. Esse número é, por vezes, alvo de algumas dúvidas, uma vez que nem toda a gente se dá ao trabalho de se informar correctamente sobre àquilo a que tem direito. Esta situação contribui, muitas vezes, para que o trabalhador se submeta a condições impostas pela sua entidade empregadora que acabam por não lhe ser favoráveis.

Dias de férias a que tem direito
Actualmente, o número de dias de férias a que tem direito é de 22 dias úteis. No entanto, tal nem sempre foi assim, uma vez que até à entrada em vigor da Lei nº 23/2012, o Código do Trabalho tinha um artigo que previa o aumento do período de férias até três dias ao trabalhador com base no critério da assiduidade. Isto significa que o período mínimo de férias poderia ir até aos 25 dias úteis. No entanto, com a entrada em vigor da nova lei este artigo foi revogado. Ainda assim, nem todos os trabalhadores sofreram uma redução do seu número de dias de férias, uma vez que, em Setembro de 2013, o tribunal Constitucional veio dizer que esta revogação não pode sobrepor-se às regras inscritas numa convenção colectiva de trabalho. Assim sendo, se um funcionário estiver abrangido por um contrato colectivo de trabalho que preveja o direito aos 25 dias úteis de férias, o trabalhador poderá, por lei, usufruir à vontade desse direito.

A quantos dias de férias o trabalhador tem direito no primeiro ano em que é admitido?
A legislação prevê uma duração diferente a aplicar em casos muito específicos, entre eles o primeiro ano de trabalho. Durante o ano de admissão, o trabalhador tem dois dias úteis de férias por cada mês de duração do contrato, até um máximo de 20 dias. No entanto, o trabalhador só poderá usufruir desses dias após completar 6 meses de trabalho. A data para o usufruto dos dias de férias deverá ser determinada através de um acordo entre o empregador e o funcionário.

Pode o empregador obrigar o funcionário a tirar férias num determinado período?
Esta situação poderá ocorrer caso a empresa feche para férias. Segundo a legislação em vigor, este encerramento poderá dar-se até 15 dias consecutivos entre 1 de Maio e 31 de Outubro. No entanto, se a actividade da empresa assim o exigir, esse encerramento poderá ser superior a 15 dias. As empresas podem, também, encerrar para férias durante 5 dias úteis na época de férias escolares, de natal, e ainda num dia que esteja entre um feriado que ocorra à terça-feira ou quinta-feira.