Como negociar a renda da casa com o senhorio

A renda de uma casa é uma das despesas mais importantes no orçamento familiar. Por isso, tudo o que puder fazer para negociar esse valor será positivo para as suas contas. No entanto, tal como você quer baixar o valor da renda, também o senhorio quer mantê-la ou até subir. É por isso importante conhecer algumas dicas para o ajudar a negociar o contrato de arrendamento com o senhorio.

Para conseguir negociar a renda da sua casa com o senhorio é essencial estar na posse de todas as informações importantes, para que dessa forma possa argumentar de uma forma eficaz. Conheça de seguida várias dicas essenciais para conseguir negociar a renda da sua casa com sucesso.

O valor da renda não pode apenas basear-se na localização do imóvel e na sua tipologia. O estado do imóvel pode também ser usado para negociar o valor da renda. Dessa forma, verifique e enumere todos os defeitos da casa e nos equipamentos, as obras necessárias, e ainda, falta de estruturas como garagem ou elevador. Todos estes pontos podem ser usados como argumentos na hora de renegociar o valor da sua renda.

Não são poucos os senhorios que preferem uma renda mais baixa mas mais segura e duradoura, a uma renda mais alta mas temporária. Assim, se aceitar realizar um contrato a longo termo (a duração pode ser negociada entre ambos), o senhorio fica bem mais descansado sobre o pagamento da rendas, bem como da segurança de ter um rendimento durante um período alargado de tempo. É um excelente argumento para convencer o senhorio a baixar a renda, ou então, para manter o valor mas com direito a um ou mais meses de renda gratuita.

O inquilino e o senhorio podem estipular entre si quem assegura o pagamento das despesas extra. Estas incluem a luz, a água, o gás, o condomínio, o IMI (imposto municipal sobre imóveis), e nalguns casos, mesmo a internet. Se nada estiver definido no contrato, tudo o que sejam despesas correntes, são pagas pelo inquilino. Já as despesas com administração e áreas comuns ficam por conta do senhorio. Se este não quiser baixar a sua renda, pode negociar com ele o pagamento de algumas das suas despesas extra. Dessa forma, o seu encargo mensal reduz, mesmo que a renda se mantenha.

Por fim, não há melhor argumento para conseguir reduzir o valor da sua renda como a “ameaça” de que se vai mudar para um imóvel com as mesmas características nessa zona, mas com um preço mais baixo. Mas para isso terá de conhecer as alternativas que existem na sua área, conhecendo imóveis para arrendar e respetivos preços. Existindo alternativas credíveis e dentro daquilo que pretende, torna-se mais fácil para si negociar com o seu senhorio. Faça por isso uma pesquisa online sobre os imóveis com as características semelhantes do seu, de modo a conhecer os senhorios dessa área, bem como o preço médio pedido.

Conheça também as vantagens de viver numa casa arrendada

7 coisas que podem desvalorizar um imóvel‏

Num mercado que se começa a revelar cada vez mais competitivo e instável, diversos são os factores que podem contribuir para desvalorizar de forma bastante significativa o valor do seu imóvel. De modo a evitar que tal aconteça, é importante que fique a conhecer alguns destes principais factores, de modo a poder reunir todos os esforços necessários para impedir que o seu imóvel experiencie uma desvalorização demasiado expressiva.

Casas de diversos andares
Casas com diversos andares podem revelar-se extremamente inconvenientes para pessoas de idades mais avançadas, tal como para crianças, o que faz com que muitas famílias optem por nem sequer pensar em comprar uma casa com estas características. Isto, como é óbvio, leva a que o valor do imóvel sofra uma ligeira queda.

Cemitérios
Vender uma casa que possua vista para um cemitério pode revelar-se um verdadeiro desafio. Muitas pessoas nunca colocariam sequer a hipótese de viver perto de um cemitério, o que faz com que casas que apresentem esta característica acabem, quase sempre, por ser vendidas por valores muito abaixo da média.

Árvores muito altas
Por vezes, árvores muito altas por perto podem constituir um perigo para a fundação da casa. Árvores de grande dimensão podem, também, danificar certos componentes do imóvel durante grandes tempestades, pelo que, não costumam ser muito apreciadas por compradores.

Zonas barulhentas
Zonas que contenham bares, escolas ou avenidas por perto podem tornar-se pouco apelativas para eventuais compradores, o que acabará por prejudicar o valor original do imóvel. Casas com estas características são, quase sempre, mais difíceis de vender.

Piscinas
Em determinadas regiões, uma piscina pode contribuir para desvalorizar um imóvel. Ainda que seja um elemento de luxo bastante atractivo, não deixa de significar uma grande despesa extra, o que, em muitos casos, pode fazer com que se torne muito mais difícil vender um imóvel.

Ausência de garagem
Se está a pensar vender um imóvel sem garagem, prepare-se para experienciar alguma dificuldade em negociá-lo pelo preço desejado. A maior parte das famílias à procura de casa pretende garagem com bom espaço, pelo que, imóveis sem estas condições perderão sempre algum do seu valor.

Má vizinhança
Se por alguma razão a sua vizinhança gozar de uma reputação questionável, isso pode reflectir-se no valor final do seu imóvel. A vizinhança é um factor de grande importância para qualquer comprador, pelo que, se a sua não for exemplar, acabará sempre por vender o seu imóvel por um valor abaixo do desejado.

As vantagens de viver numa casa arrendada

Em Portugal, a regra geral, era viver em casas arrendadas. Até que a queda das taxas de juro e os grandes lucros, fáceis e rápidos de obter pela construção e venda de casas, lançaram as pessoas para a aquisição de casa própria. Todavia, nos últimos anos, com a economia em crise e com os bancos a limitarem a concessão de crédito às famílias, a compra de casas tem caído de forma abrupta. Assim sendo, a opção mais viável passa novamente por arrendar uma casa em detrimento da sua aquisição.

A questão torna-se ainda mais relevante quando falamos de jovens compradores que necessitam de financiamento bancário para comprar casa, enquanto ainda não têm uma vida profissional estável, que lhes possa garantir o pagamento total do crédito à habitação. Segundo a DECO, a crise está a obrigar cada vez mais portugueses a ter de entregar a casa ao banco. se até há pouco tempo as pessoas tentavam a todo o custo manter a habitação, agora a tendência parece estar a inverter-se.

Assim, viver numa casa arrendada pode acarretar uma séria de vantagens, desde logo a liberdade que proporciona a quem não quer ter logo um compromisso para a vida, o que acontece quando se contrai um crédito à habitação. Saiba de seguida quais as vantagens de viver numa casa arrendada:

Flexibilidade – Esta crise está a revelar que o arrendamento é uma opção mais flexível do que a compra de casa, especialmente para a classe média que a qualquer momento pode ter cortes no rendimento ou enfrentar na família o despedimento. Quem vive em casa arrendada rapidamente pode mudar de cidade, para onde há emprego, ou mudar de casa para outra mais barata.

Obras de manutenção – Num arrendamento, o inquilino não necessita de se preocupar com isso. Quando ocorrer algum problema relativo à manutenção, informe o seu senhorio, o qual tem a obrigação de solucionar a situação.

Impostos e Seguros – São outros encargos que não necessita de se preocupar, o que não aconteceria quando se compra uma casa. Sendo que os valores do imposto sobre imóveis e dos seguros de uma habitação são bastante avultados.

Viver melhor – Muitas vezes, a renda que paga num arrendamento é menor do que a prestação mensal, que pagaria se tivesse contraído um crédito à habitação. Desta forma, ficará com mais dinheiro para gastar, poderá viver melhor a nível financeiro. Além disso, poderá viver num sítio que de outra forma nunca teria dinheiro para o fazer.

Necessidade de mudar – No caso de um arrendamento, se o inquilino necessitar de se mudar, basta apenas de esperar um ou dois meses no máximo. Mas, se tivesse comprado uma casa, imagine o tempo que poderia ter de esperar até vender a mesma.

Faturas de água, luz e gás – Em alguns casos, a água, luz e gás vêm já incluídos na mensalidade do arrendamento, o que significa menos preocupações com faturas para pagar.

Estar a comprar uma casa no início da vida profissional, gastando todo o dinheiro que juntou, não está a construir o seu futuro, mas sim, a destruir. Ter uma casa própria demasiado cedo para além de estar a criar um enorme passivo para si, fica sem dinheiro para investir. Nestas condições, a prioridade deve passar por criar primeiro alguns ativos, um negócio próprio, ou consolidar a carreira profissional, ou mesmo uma carteira de ativos de investimento, de modo a assegurar um rendimento mais constante para o seu futuro. Por isso, enquanto não reúne condições vantajosas para comprar uma casa, a melhor solução passa por viver numa casa arrendada.