Dicas para poupar dinheiro no combustível

Com os preços dos combustíveis a subirem, é importante começar a prestar um pouco mais de atenção à forma como administra a utilização dos mesmos na sua vida. Saber onde comprar e como utilizar poderá ajudá-lo a poupar quantias significativas de dinheiro.

Compare preços – Os preços tendem a variar conforme a empresa à qual o posto de abastecimento pertence. Hoje em dia existem alternativas “low cost” que disponibilizam combustível a preços mais acessíveis, pelo que, se anda mal de dinheiro, não deve deixar de aproveitar estas oportunidades.

Abasteça pela manhã – Opte sempre por abastecer durante a manhã, que representa a altura mais fresca do dia. Nestas alturas a gasolina encontra-se mais densa, e uma vez que é paga ao litro, quanto mais densa se encontrar, menos pagará ao abastecer o seu depósito.

Conduza mais devagar – Quanto mais rapidamente conduzir, mais consumirá, pelo que, se não houver razão para tal, deverá sempre optar por conduzir a velocidades mais reduzidas. Não só é mais seguro, como também acabará por ajudá-lo a poupar imenso combustível ao final do mês.

Olhe pela saúde do seu carro – Manter a manutenção do seu carro em dia é uma das formas mais eficazes de evitar gastar mais combustível do que o suposto. Carros com problemas tendem a originar consumos excessivos de combustível, pelo que, é importante certificar-se regularmente de que tudo se encontra em ordem com o seu veículo.

Atenção ao ar condicionado – A utilização excessiva do ar condicionado pode, também, originar consumos excessivos e desnecessários de gasolina. A menos que seja mesmo necessário, opte por não utilizar o seu ar condicionado.

Tente estacionar à sombra – Evite sempre estacionar o seu veículo ao sol. Ao fazê-lo, estará a favorecer a evaporação de combustível, o que fará com que o seu depósito dê para muito menos tempo.

Desligue sempre o carro – Sempre que estiver parado numa fila de trânsito convém desligar o seu veículo. Mantê-lo ligado enquanto não está a andar fará com que consuma combustível desnecessariamente.

Reduza a utilização do veículo – Perca o hábito de utilizar o seu veículo para todas as deslocações.Caminhar não só fará muito bem ao seu corpo, como também à sua carteira. Ficará surpreendido com os benefícios que poderá retirar de simplesmente reduzir consideravelmente na utilização do seu veículo.

10 dicas para poupar dinheiro no supermercado

Sejam compras diárias, semanais ou mensais, as contas do supermercado representam sempre uma fatia importante no orçamento familiar. Ora se por um lado existem alimentos e produtos imprescindíveis, saiba que também existem formas de reduzir as despesas da ida ao supermercado sem ter de prescindir de nada. Veja aqui algumas das nossas dicas:

1. Defina um orçamento – Quando fizer compras, estipule um orçamento. Não vá ao supermercado sem saber até quanto poderá gastar. Os cartões de débito e/ou crédito são, muitas vezes, inimigos dessa gestão. Por isso, evite pagar através do multibanco e estabeleça um montante limite.

2. Faça uma lista – Tenha em atenção os produtos em falta e prepare com alguma antecedência uma lista com todas as coisas que precisa comprar no supermercado. Se souber exactamente o que precisa, corre menos riscos de perder-se em produtos desnecessários e, muitas vezes, caros. Se já conhece a loja, tente organizar a lista de acordo com a disposição dos produtos (por exemplo: da esquerda para a direita), assim vai poupar tempo e evitar andar para trás e para a frente.

3. Não vá às compras de barriga vazia – Evite ir ao supermercado com fome. Dessa forma, evita comprar produtos desnecessários, poupando dinheiro para eventuais coisas que realmente precisa.

4. Aproveite as promoções – Dê uma vista de olhos aos folhetos publicitários que recebe diariamente e compare preços. Para além de ajudar a planear as lojas a que deve ir, é uma boa maneira de estar atento às promoções.

5. Diga sim às marcas brancas – Muito mais económicas, as marcas brancas já não são o que eram. A crescente competitividade tem levado as empresas a apostar fortemente na qualidade dos seus produtos, mas muito mais baratos em comparação às restantes marcas. Experimente e vai ver que não se vai arrepender.

6. Armazene – Sempre que vir produtos “sem prazo de validade” que estejam em promoção, aproveite os preços baixos e faça um stock em casa. O mesmo se aplica a todos os produtos com prazos de validade longos como cereais, leite ou enlatados, por exemplo. Dessa forma evita ir ao supermercado tantas vezes e cair na tentação de comprar coisas desnecessárias.

7. Vá com tempo – Muitas vezes as compras exigem tempo e paciência para que possa avaliar bem as várias marcas que tem ao seu dispor e dessa forma ver as que compensam mais na relação qualidade/preço.

8. Evite levar crianças – O ideal é deixar as crianças em casa. Dessa forma, poderá concentrar-se sem ter que dividir a sua atenção em duas coisas em simultâneo. Além de evitar comprar todo o tipo de produtos tentadores que as crianças vêem.

9. Escolha frutos e legumes da época – Os alimentos de época, especialmente os regionais ou nacionais, não estão sujeitos a conservações e grandes viagens, tornando os produtos mais baratos, e ao mesmo tempo, mais saudáveis. Ou seja, além de poupar na carteira, os frutos e legumes da época são mais nutritivos e naturalmente mais saborosos. Saiba quais são os frutos e legumes de cada mês (AQUI),

10. Confira os talões – Muitas vezes existem erros de preço, seja por um produto passar mais que uma vez ou alguma anomalia nos talões ou promoções existentes. Por isso, mantenha os olhos abertos. É importante que não deixe passar essas situações. Afinal, um engano hoje, outro amanhã… é dinheiro ao final do mês.

Dicas para poupar na eletricidade‏

Poupar na eletricidade é uma medida que se pode revelar extremamente benéfica, não só para o seu bolso, como também para o planeta. Ainda que seja um recurso indispensável na vida de qualquer pessoa, a utilização inadequada do mesmo constitui um erro bastante frequente, que acaba sempre por contribuir para dificultar a situação financeira de muitas famílias. Felizmente, contornar este problema e poupar na electricidade é uma tarefa bastante simples, bastando, para isso, seguir algumas regras essenciais.
Eis algumas dicas importantes para poupar eficazmente na eletricidade:

Desligue sempre as luzes
Comece a habituar-se a desligar as luzes sempre que sai de uma divisão. Se passará as próximas horas na sala, não há necessidade absolutamente nenhuma para a luz da cozinha ficar acesa. Por mais lógico que isto pareça, há muitas pessoas que não seguem esta regra tão óbvia, o que acaba sempre por resultar em contas elevadas de eletricidade.

Utilize um regulador de intensidade
Apesar de não ser mesmo necessário, caso saiba como reduzir eficazmente a utilização de eletricidade, um regulador de intensidade pode sempre revelar-se uma boa ajuda na redução dos gastos totais com a luz, pelo que, é altamente recomendado.

Utilize lâmpadas de baixo consumo
Ainda que consideravelmente mais caras do que as lâmpadas “normais”, as lâmpadas de baixo consumo tendem a revelar-se muito mais duradouras e a consumirem muito menos eletricidade, o que, ao fim do ano, acabará por ajudar a poupar quantias bastante expressivas de dinheiro.

Habitue-se a desligar os aparelhos
Sempre que um aparelho não esteja a ser utilizado, deverá ser desligado. Televisões, consolas de jogos, impressoras, scanners, etc. Qualquer que seja o aparelho, deverá apenas estar ligado durante a sua utilização. Recomenda-se, também, que os desligue das tomadas, de modo a optimizar ao máximo a poupança de energia.

Mantenha os frigoríficos bem localizados
Frigoríficos e arcas congeladoras deverão sempre ser mantidos o mais longe possível de portas, janelas e fogões, de modo a evitar gastos desnecessários de energia originados pelo contraste de temperaturas, que obrigarão os frigoríficos a trabalhar de forma mais intensa.

Cuidado com as temperaturas da máquina de lavar
Escolher corretamente a temperatura da água no momento de lavar a sua roupa, bem como a sua loiça, poderá ajudá-lo a poupar mais de 40% de eletricidade. Sempre que viável, opte por lavar a sua roupa a 30 graus, ou mesmo com água fria, o que para certas peças de roupa até poderá revelar-se bastante benéfico, como é o caso da roupa escura. Temperaturas mais elevadas deverão ser utilizadas apenas quando for mesmo necessário.

8 dicas para poupar dinheiro

Os efeitos devastadores da crise vieram relembrar os Portugueses da importância do desenvolvimento de uma boa estratégia de poupança. Numa época em que uma boa percentagem da população se encontra a experienciar sérios problemas financeiros, é cada vez mais imprescindível valorizar a adoção de medidas que ajudem a prevenir desastres financeiros irreversíveis. Felizmente, através da reeducação de alguns hábitos é perfeitamente possível atingir esse objetivo e começar a poupar quantias bastante significativas de dinheiro. Eis algumas medidas que poderá adotar para atingir esse objetivo:

Tome nota de todas as suas despesas

Ainda que isto se possa revelar entediante e trabalhoso, tomar nota de todas as suas despesas ajudá-lo-á a determinar se está ou não a gastar dinheiro desnecessariamente. Para tal, deverá guardar os talões de tudo aquilo que compra, bem como anotar todos os gastos diários que tiver.

Evite comer fora

Sempre que houver a possibilidade, tente tomar as suas refeições em casa. Levar um tupperware para o trabalho com comida feita em casa, bem como ter sempre consigo algumas peças de frutas e snacks, como é o caso de bolachas, poderá, também, revelar-se extremamente útil para a poupança de dinheiro.

Aproveite os cupões dos supermercados

É com frequência que as mais diversas cadeias de hipermercados disponibilizam cupões de desconto aos seus clientes, que permitem adquirir determinados produtos a preço significativamente mais baixos do que o normal. Se os hipermercados onde costuma fazer compras disponibilizam esta oportunidade, então não deverá deixar de usufruir dela.

Evite comprar água engarrafada

Ao comprar água engarrafada está a perder uma oportunidade única de poupar dinheiro, uma vez que a utilização de água da torneira tende a revelar-se uma alternativa muito mais económica. Se está preocupado com os efeitos nocivos que a água da torneira poderá ter na sua saúde, então aconselha-se a que compre um filtro de água em jarra. O investimento será rapidamente recuperado e, a partir daí, será só poupar.

Preste atenção à utilização de água

Adote todas as medidas possíveis para poupar água. Coloque uma garrafa de plástico de litro e meio dentro do autoclismo para poupar em cada descarga. Da mesma forma, sempre que cozinhar, tente reutilizar a água. A água onde cozer, por exemplo, os legumes, deverá também ser utilizada para a cozedura dos restantes ingredientes.

Poupe na eletricidade

É frequente os eletrodomésticos ficarem ligados à corrente até mesmo quando não estão a ser utilizados. Ao perder esse hábito, estará automaticamente a gastar menos energia e, consequentemente, a poupar dinheiro. Deverá, também, certificar-se de que só acenderá luzes quando for realmente necessário. Ao fazê-lo, poderá acabar por poupar centenas de euros por ano.

Faça compras através da internet

Ao utilizar a internet poderá, muitas vezes, encontrar determinados produtos a preços muito mais baratos. Assim sendo, sempre que precisar de comprar algo, investigue bem se há ou não a possibilidade de adquirir o objeto desejado por um preço mais barato, através da internet.

Adquira um bom plano de TV, internet e voz

Cada vez maior é número de planos disponíveis no mercado que lhe permitem usufruir de um serviço de telemóvel, telefone fixo, televisão e internet por preços altamente aliciantes. Se tende a gastar muito por mês em chamadas de telemóvel, talvez seja uma boa ideia começar a informar-se dos planos atualmente existentes. Em muitos casos, é possível poupar imenso através de planos que englobam uma grande variedade de serviços

Dicas para melhorar o seu orçamento familiar

Para melhorar o seu orçamento familiar, é muito importante verificar bem as contas, pois pode-se dar o caso de estar a pagar por algo que não utilizou. Verifique todos os meses os extratos bancários e confira todas as contas pagas. Também pode acontecer o inverso, estar a pagar por algo que utilizou e que não devia, por não estar incluído no contrato.

Dicas para aumentar o seu orçamento familiar

Conheça bem os limites dos serviços contratados, tais como telecomunicações. Atualmente, com uma grande quantidade de oferta existente no mercado, convém sempre prestar atenção aos serviços mais baratos que são disponibilizados no mercado. No caso dos serviços de telecomunicações, existe sempre onde cortar a despesa mensal, por isso pode sempre reavaliar os contratos. Procurar constantemente os melhores preços é uma estratégia bastante eficaz na hora de maximizar o orçamento familiar.

Não subestime as pequenas poupanças. Se agregar os elementos familiares dentro do mesmo serviço, como seguro automóvel, ou seguro de saúde, estará a poupar dinheiro automaticamente. Outra forma fácil de poupar dinheiro é os membros da família partilharem deslocações no mesmo automóvel.

Maior controle no consumo energético em casa, desde o ar condicionado ao aquecimento, desde os aparelhos deixados ligados durante a noite à iluminação utilizada.

Pode também plantar alguns alimentos e gere melhor as refeições, de forma a sobrar mais dinheiro ao fim do mês para a família.

Coloque numa conta bancária a percentagem de dinheiro do orçamento familiar que estipulou todos os meses para a poupança.

Venda o que tem por casa que já não tem utilidade para ninguém e ganhe um pequeno reforço no orçamento familiar.

A medida mais relevante a tomar na altura de aumentar o orçamento familiar passa por arranjar um trabalho extra ou por aumentar o volume de horas de trabalho. Contudo este é o passo mais difícil de se conseguir dar.

Saiba como fazer o seu orçamento familiar

Para evitar que o prazer de comprar se transforme numa lista de privações quotidianas, é prioritário fazer um orçamento familiar, isto é, contabilizar todo o dinheiro que entre e o dinheiro que sai mensalmente da sua conta bancária. Assim poderá definir qual a margem financeira que dispõe e determinar se os seus projetos são realizáveis, daqui a quanto tempo os poderá realizar e a maneira de os alcançar.

Pode fazer o seu orçamento doméstico numa folha de Excel ou simplesmente compre um caderno e faça-o a lápis.

Seguem abaixo alguns conselhos para que possa fazer o seu orçamento familiar:

Identifique os rendimentos
Comece por identificar as principais fontes dos seus rendimentos (receitas). Estas englobam rendimentos como salários, subsídios de férias, de Natal e de refeição, prémios, bónus e comissões. Se não está a trabalhar, mas recebe o subsídio de desemprego ou uma pensão de velhice, dividendos de ações ou rendas de casas que arrenda, não se esqueça de incluir tudo no seu orçamento.

Identifique as despesas
O objetivo passa por anotar todos os gastos previstos para ao longo do mês, quer sejam necessidades e gastos básicos, quer sejam projetos que pretenda realizar. Para esta secção do orçamento doméstico, anote todas as despesas fixas (que acontecem todos meses), como o alojamento ou seguros, a alimentação, a conta da água ou luz. Faça uma estimativa dos gastos ou utilizar os valores do mesmo mês no ano anterior para definir os valores das despesas essenciais incertos.

Como o seu padrão de gastos não se resume as despesas fixas, deverá ter especial atenção com as despesas variáveis, que são aquelas que não sendo prioritárias são importantes para ter alguma qualidade de vida. Exemplo destas são as refeições fora de casa, combustível ou vestuário.

Crie subcategorias
Depois de contabilizar todas as despesas domésticas, separe as despesas fixas de outras despesas. Muitas pessoas não fazem idéia do quanto gastam em jantares fora, em viagens, presentes, vestuários, etc. Analise estas despesas e estabeleça de forma realísta montantes de gastos para as mesmas.

Fundo de maneio para emergências
Não tem que ser valores elevados, mas se for poupando mensalmente, quando chegar a altura em que esse dinheiro será necessário, certamente que terá um valor interessante já separado para qualquer emergência. Separe dinheiro também para os seus gastos pessoais, o que lhe permite manter a disciplina e a motivação para cumprir o orçamento.

Faça a avaliação
Calcule os valores totais dos seus rendimentos e despesas mensais. Se o resultado indicar que tem mais rendimentos do que despesas, então está no caminho certo. Isto significa que pode distribuir a parte extra por outras subcategorias do seu orçamento, como poupança para a reforma, amortização de créditos ou para o vestuário. Tente que a sua poupança chegue a 10% do seu rendimento mensal. Saiba como fazer um pé-de-meia para a reforma.

Se tiver um total de despesas superior ao total de rendimentos, então vai ter de fazer alguns ajustes no seu orçamento familiar.

Não deixe acumular as dívidas
Se está a ter dificuldades em pagar a dívida do seu cartão de crédito, ou empréstimos, um orçamento pode ajudar a resolver este problema. Separe sempre dinheiro suficiente para pagar mais do que o mínimo, especialmente no que diz respeito aos cartões de crédito, os quais têm taxas de juro elevadas.

Não use cartões para pagar despesas pessoais
Muitos consultores financeiros recomendam a criação de envelopes para as várias subcategorias dos seus gastos, como a alimentação ou a gasolina. Atualize mensalmente os envelopes com o dinheiro que definiu no orçamento para essas despesas. Isto permite-lhe verificar o que está a gastar.

Siga o seu plano
Por fim, tente seguir o seu plano e não se desvie do orçamento. De nada serve ter um orçamento, caso não siga o mesmo com determinação e disciplina.

7 dicas para poupar nas compras de regresso às aulas

Chegado o mês de Setembro, milhares de portugueses começam o ritual de compras de material escolar para o novo ano escolar. Um processo que pode ser penoso, sobretudo, para a carteira dos progenitores. Os pais querem sempre apetrechar os seus filhos com tudo o que é preciso para um ano letivo de sucesso. Mas nem tudo é necessário e algumas compras acabam por ser um desperdício de dinheiro. Eis algumas dicas a ter em conta para evitar que o regresso às aulas seja uma fonte de problemas para a sua carteira.

Prepare-se com antecedência
As despesas com a compra de material escolar no final do Verão são gastos previsíveis, no sentido em que as famílias sabem que nesta altura do ano têm sempre despesas adicionais com a educação dos filhos. Por isso, é aconselhável que os pais prevejam estes gastos com alguns meses de antecedência para conseguirem juntar um pé-de-meia suficiente para cobrir estes encargos. Por exemplo: há quem reserve o reembolso do IRS ou uma parcela do subsídio de férias do agregado familiar para pagar as compras do material escolar dos filhos.

Faça uma lista e veja o que já tem por casa
Antes de ir fazer compras, faça uma lista de materiais a comprar para o novo ano letivo e verifique o que pode aproveitar de anos anteriores. A sua casa é o primeiro shopping a verificar, se quiser poupar dinheiro no regresso às aulas. Veja o que já tem por casa, desde materiais a roupa, só depois se decida a ir às compras.

Estabeleça um compromisso com os seus filhos
A grande diversidade dos materiais (e dos preços) faz com que os pais perdem facilmente a noção dos gastos, por isso é importante selecionar bem o material escolar a comprar. Alguns especialistas aconselham os pais a estipularem um valor máximo de gastos com a compra de material por cada filho. Caso o seu filho quere ter uma mochila mais cara, para compensar ele deverá ter de escolher umas canetas mais baratas. Desta forma, consegue ir ao encontro dos desejos dos seus filhos sem comprometer o seu orçamento familiar.

Analise as promoções nos sites das editoras
Os consumidores que optem por fazer a encomenda de livros através do site das editoras podem beneficiar de descontos que variam entre os 10% e os 12% na fatura final. Algumas delas facilitam também o parcelamento do pagamento dos livros escolares, sem a cobrança de juros. Esta poderá ser assim uma opção a ter em conta para poupar alguns euros na época do regresso às aulas. Aliás, a internet pode ser uma boa aliada da sua carteira e da conta bancária nesta época do ano, já que existem vários blogs que publicam informação sobre os descontos e promoções associados a compra de material escolar.

Pondere adquirir os manuais escolares em segunda mão
Caso o orçamento familiar já está muito apertado e não tem possibilidade financeira para comprar os manuais escolares novos, poderá adquiri-los em segunda mão. O portal OLX, por exemplo, tem uma secção dedicada aos livros escolares usados, desde o primeiro ano do ensino básico até ao nível universitário.
Em alternativa, poderá também trocar os seus livros do ano passado por aqueles que necessita este ano. Isso é possível graças ao Movimento pela Reutilização dos Livros Escolares. Este movimento promove e divulga bancos de recolha e troca de manuais escolares em todo o País, de forma gratuita.

Convença as crianças a personalizar os materiais
Em vez de comprar os materiais escolares bonitos mas caros que os seus filhos lhe pedem, convença-os a personalizar os seus próprios materiais. Um simples caderno preto pode ser transformado pelo jovem aluno numa obra de arte. Um estojo antigo pode ser decorado com remendos do clube de futebol, fotografias dos ídolos do momento, etc.

Peça fatura para deduzir os gastos no IRS
Para finalizar, uma outra questão importante a ter em conta é pedir sempre a fatura do material escolar que comprar para os seus filhos. Isto porque poderá deduzir estas despesas na próxima declaração de IRS que entregar. O fisco permite que as famílias deduzam 30% das despesas realizadas com a educação.

Crédito Consolidado

O crédito consolidado é uma solução financeira personalizada e dirigida as pessoas para agregar vários créditos num só, de forma a diminuir os encargos financeiros mensais do orçamento familiar. Geralmente, no crédito consolidado os prazos para liquidação da dívida são alargados, resultando numa diminuição das prestações a pagar. Existem duas modalidades de crédito consolidado:
– Crédito consolidado com hipoteca
– Crédito consolidado sem hipoteca

O crédito consolidado com hipoteca é a modalidade mais praticada e tem por base um crédito hipotecário. Habitualmente, o investidor contrai uma segunda hipoteca sobre o imóvel, ficando este como garantia do crédito consolidado. A instituição financeira que fornece o crédito consolidado tem assim direito a ficar com o imóvel, em caso de se verificar incumprimento do contrato de crédito.

Enquanto no crédito consolidado sem hipoteca, não existe a necessidade de ter ou de dar um imóvel para fazer a consolidação dos créditos. Esta modalidade de crédito consolidado é difícil de obter e normalmente os clientes com incidentes ou prestações de créditos em atraso, vêem os seus pedidos rejeitados na hora. Além disso, esta modalidade pode oferecer condições menos favoráveis do que a modalidade de crédito consolidado com hipoteca. Apresentando um prazo de pagamento mais curto e em prestações de valor superior, porque é um crédito com um maior risco associado.

Algumas das vantagens do crédito consolidado são os seguintes:
– Menos credores;
– Redução das prestações mensais;
– Melhor gestão dos prazos de pagamento.

Dicas para começar uma conta poupança

Nos dias que correm, chegar ao fim do mês com alguma reserva de dinheiro é quase uma vitória. A conjuntura atual prevê que os próximos anos sejam ainda de grandes dificuldades e risco pelo que, se conseguir ter algum dinheiro de parte para qualquer necessidade futura, a melhor solução é aplicá-lo numa conta poupança, assim, ganha juros e o investimento feito é praticamente sem risco. Abaixo seguem algumas dicas para começar a sua conta poupança.

– Faça a sua própria pesquisa de mercado e veja qual é o banco que lhe oferece a melhor taxa de juro numa conta básica. A taxa de juro varia consoante a duração e o montante aplicado para a conta poupança.

– Define os seus objectivos a longo prazo. Se estiver a poupar para um carro ou uma viagem, diga-o ao seu gestor da cliente, pois ele pode sugerir quais os melhores produtos de poupança para os seus objectivos.

– Quando identificar qual a instituição bancária e o melhor produto de poupança, faça um depósito inicial na sua conta poupança. Certifique-se que separe para esta conta uma percentagem dos seus rendimentos mensais. Os peritos em poupança e finanças pessoais aconselham 10% do rendimento mensal para poupar.