O que fazer para evitar ser alvo de um ataque de “phishing”

A palavra “phishing” é um termo que diz respeito a um método de fraude online através do qual cyber criminosos conseguem roubar números de contas bancárias, passwords ou outros dados pessoais. Apesar de ser um tipo de fraude muito habitual, na realidade a maioria das pessoas não sabe identificar um ataque de “phishing”. Neste artigo poderá perceber melhor como funciona esta fraude online, e ainda, algumas dicas de como evitar ser alvo de um ataque de “phishing”.

O que é “phishing”

Este método, de uma forma simples, consiste em enganar o utilizador para que este ceda os seus dados pessoais de uma forma voluntária. Assim, esta técnica de fraude online vai utilizar artifícios e iscos, como por exemplo emails e websites falsos, que imitam a imagem de uma entidade em qual o utilizador confia. As entidade que geralmente são usadas nestes esquemas são as operadoras móveis, os bancos ou seguradoras. De seguida há a solicitação para atualizar os seus dados, pois caso não o façam, alguma coisa negativa irá acontecer, geralmente cancelamento de contas. Os utilizadores menos atentos vão assim fornecer os dados solicitados, estando na realidade a facultá-los a um hacker. Depois, com esses dados, o criminosos irá utilizar essa conta para fazer compras, pagamentos ou outro tipo de utilização indevida dos seus fundos.

Dicas para evitar ser alvo de um ataque de “phishing”

Dica nº 1 – Nos emails, tudo o que sejam links ou anexos suspeitos não os abra. Muitas vezes eles direcionam para um malware que irá contaminar o seu computador, abrindo as portas dos seus dados e da sua navegação a hackers.

Dica nº 2 – Se receber emails com extensões (especialmente as extensões .exe, .scr, .pif, .cmd, cpl, .bat, .vir e .zip) ou com um assunto muito atrativo, desconfie. Se não tiver a certeza, entre em contacto com a pessoa que lhe enviou antes de abrir links ou ficheiros.

Dica nº 3 – Se entrar num site que você desconfia que não é o correto, o segredo para verificar se realmente ele é legítimo é tentar fazer o login com a password errada. Se mesmo assim o sistema aceitar, então termine a navegação e saia desse site pois poderá estar muito provavelmente a ser vítima de um ataque de “phishing”.

Dica nº 4 – Sempre que receber um email das entidades que referimos em cima, e outras, verifique sempre se o endereço de email está correto, e ainda, se o remetente é aquele que habitualmente lhe envia emails.

Dica nº 5 – Em tudo o que diz respeito a contas de acesso online é preciso ter uma atenção extra à password que escolher. Não use informações pessoais nem combinações demasiado simples.

Dica nº 6 – Mantenha sempre o seu sistema atualizado, bem como o seu firewall e o seu antivírus. Isso irá permitir que o seu computador esteja menos vulnerável às ameaças mais recentes.

Siga estas dicas e evite ser alvo de um ataque de “phishing”.

Calcular indemnização por despedimento

A indemnização por despedimento está sujeita a regras que tendem a sofrer alterações com bastante regularidade. De modo a mantê-lo atualizado, de seguida listaremos tudo aquilo que precisa de saber relativamente à legislação referente a indemnizações por despedimento.

As mais recentes alterações ao código de trabalho resultaram de uma imposição efetuada pela troika, que exigiu que o valor das indemnizações por despedimento fosse reduzido de 30 para 20 dias. A última atualização ocorreu em Outubro de 2013 e admite um máximo de 18 dias por ano de trabalho.

Contratos a termo celebrados depois de 1 de Outubro de 2013

Para os contratos de trabalho a termo certo a indemnização por despedimentos corresponde a 18 dias de salário por ano.de antiguidade na empresa nos primeiros 3 anos. Nos anos seguintes, esse valor passa a corresponder a 12 dias de salário.

Contratos a termo incerto celebrados depois de 1 de Outubro de 2013

Ao contrário dos contratos de trabalho temporário, os contratos a termo incerto não possuem uma data de fim pré-estipulada. Nestes casos, a indemnização por despedimento corresponde a 18 dias dias de salário durante os primeiros 3 anos. Depois disso, o valor passa a corresponder a 12 dias de salário.

Nos casos de contratos celebrados antes de 31 de Outubro de 2012, aos trabalhadores é-lhes garantido o direito de receberem o equivalente a 30 dias de salário por cada ano de trabalho.

Como calcular a indemnização por despedimento

Contratos celebrados depois de 1 de Outubro de 2013:

Imaginemos que um trabalhador que assinou um contrato sem termo em Outubro de 2013 é dispensado em Outubro de 2017. Caso o salário seja de 800 euros, a conta a ser efetuada é a seguinte:

800/30*12*4= 1280 euros

5 questões para saber se a sua carreira está no rumo certo

Você gosta daquilo que faz? Olha para o futuro e sente que o seu trabalho irá ser recompensado? Tem metas bem definidas e está a conseguir atingi-las? Todas estas são perguntas que devem ser colocadas num hábito de reflexão pessoal, de modo a fazer uma autoavaliação da sua vida, tanto profissional, mas também, pessoal. Se tem dúvidas sobre o rumo da sua carreira, é essencial fazer um exercício de avaliação e questionar-se sobre alguns aspetos. De seguida deixamos 5 questões poderosas que o vão ajudar a saber se a sua carreira está no rumo certo.

A atividade/profissão que estou a exercer dá-me felicidade?

Claro que o objetivo principal de qualquer atividade profissional é ganhar dinheiro para poder sustentar-se a si e à sua família. Contudo, para que se sinta bem com o que está a fazer e tenha equilíbrio na sua vida pessoal, é fundamental sentir-se feliz no trabalho. Por isso, esta é uma das primeiras questões que tem de fazer a si próprio.

Quais as minhas metas profissionais para este ano?

Você define as suas metas profissionais anualmente ou anda “ao sabor da corrente”? Para que a sua carreira profissional não estagne é necessário que evolua, e para isso é essencial definir como quer crescer dentro da sua profissão.

Consigo atingir as minhas metas?

A verdade, “nua e crua”, é que nem todas as pessoas têm o mesmo sucesso dentro da área profissional onde se encontram. E muitas vezes, por comodismo, ou simplesmente, por receio do desconhecido, muitas pessoas acabam por se acomodar a uma atividade onde não são particularmente talentosas, e dessa forma, sujeitar-se a metas pouco ambiciosas, ou então, a falhá-las muitas vezes. Você consegue atingir as metas que define no início do ano? Se não, então talvez a sua carreira não esteja no rumo certo.

Onde me vejo daqui a 10 anos?

Esta é uma pergunta poderosa que vai fazê-lo pensar bastante. Onde se vê daqui a 10 anos? Se, após uma reflexão séria e realista, você olhar para o seu futuro a médio prazo e ver-se numa posição de sucesso, então está motivado e a trabalhar para crescer na sua profissão. Pelo contrário, se daqui a 10 anos se vê exatamente no mesmo ponto onde se encontra hoje, então isso diz algo do rumo da sua carreira.

Consigo ser bem sucedido e ter tempo para a família ou amigos?

Para muitas pessoas, ser bem-sucedido numa atividade profissional é simplesmente crescer dentro da empresa e aumentar os ganhos de uma forma gradual e consistente. Contudo, em muitas profissões, muitas vezes esse crescimento é acompanhado de maiores responsabilidades e menos tempo disponível para o lazer, para a família e para os amigos. Para que se sinta realizado e feliz com a sua carreira, esse equilíbrio tem que existir. Se consegue ser feliz com o que está a fazer, as suas metas estão a ser atingidas, sente-se motivado para a sua profissão, e ainda assim, consegue ter tempo para a sua família e para as suas atividades de descanso e lazer, então está no bom caminho.

Como ser um líder – Conheça as 10 características de um líder

Ser um líder não é apenas ser alguém que mande. Por isso é que nem todos os chefes são verdadeiros líderes. Um líder é alguém que lidera um conjunto de pessoas, tornando-as melhores enquanto indivíduos e enquanto grupo de trabalho. E se há pessoas que já nascem com essa capacidade, há outros que têm que desenvolver várias competências de modo a tornarem-se líderes. Conheça de seguida as 10 características que um líder deve ter.

As 10 principais características de um líder

Ser motivador

Qualquer pessoa necessita de motivação para dar o seu melhor. Um chefe procura motivar pressionando e intimidando o trabalhador. Já um líder, um verdadeiro líder, motiva a sua equipa para que ela queira fazer mais e melhor. A melhor forma de motivar é dar o exemplo, mostrar o que eles podem conseguir, valorizar os pontos mais positivos de cada um, partilhando conhecimentos e experiências, etc.

Ser tranquilo

A melhor forma de liderar é pela empatia. Liderar pelo medo ou intimidação nunca dá bom resultado a médio e longo prazo. Mantenha sempre tranquilidade nas relações com o grupo que tem que liderar, mesmo face a situações de maior dificuldade. Só assim conseguirá que ela se mantenha calma e focada nessas situações.

Ser dedicado

Um líder tem que dar um exemplo. Como tal, se pretende um esforço extra dos seus funcionários, tem igualmente que mostrar a mesma dedicação ao trabalho.

Estar disposto a aprender

Parar de aprender é morrer. O mundo está em constante mudança, e como tal, se não acompanhar a evolução, irá estagnar, bem como todo o grupo que lidera. Como tal, para que seja realmente um líder, você tem de saber acompanhar os tempos, necessitando por isso de estar em constante aprendizagem.

Saber delegar tarefas

Saber delegar é uma das competências mais importantes num líder. Delegar mostra que confia na sua equipa, e ao mesmo tempo, permite ao líder dedica o seu tempo a outras tarefas essenciais.

Saber comunicar

Um aspeto muito importante na liderança é a comunicação. Saber dizer o que pretende na altura certa, de modo a fazer passar a mensagem, é essencial para qualquer líder.

Ser metódico

Para se ter sucesso, tanto individual, como numa organização a seu cargo, não basta trabalhar muito. É preciso que esse trabalho seja eficiente. Para isso é essencial que o líder seja metódico no seu trabalho, dando o exemplo para a sua organização, planeando e antecipando possíveis obstáculos e soluções.

Ser proactivo

Um bom líder é optimista e não mostra receio em avançar em situações novas. É proativo, procurando sempre definir o seu rumo, e não agir apenas obrigado pelas circunstâncias.

Responsabiliza-se pelos seus erros

Não há pessoas perfeitas. Como tal, uma das principais características de um líder é mostrar que quando erra também sabe admitir. Só com essa atitude conseguirá evoluir, e ao mesmo tempo, dar o exemplo de responsabilização para o grupo que lidera. E mais que saber admitir, é mostrar que consegue resolver um problema criado. Um líder deve fomentar a procura de soluções e não o foco no erro e no problema.

Ter a confiança da sua equipa

Respeite a sua equipa, saiba delegar tarefas, aja sempre de forma transparente e direta, mostre empenho e dedicação, e a sua equipa irá confiar em si e olhar para si como um líder.

5 Razões para sair do seu trabalho a tempo e horas

Existe muitas vezes a ideia de que o trabalhador mais dedicado e produtivo é aquele que fica para lá do seu horário normal de trabalho. Contudo, apesar de em muitas empresas continuar a imperar essa mentalidade, na realidade os estudos mostram exatamente o contrário. O direito a um horário de trabalho definido é uma vantagem não só para o trabalhador, mas também, para o próprio empregador. Conheça de seguida 5 razões para sair do seu trabalho todos os dias a tempo e horas.

As 5 principais razões para sair do trabalho todos os dias a tempo e horas

– Definição de prioridades

Quando não existe um horário de trabalho bem definido é mais fácil cair em distrações. Assim, o facto de ter de respeitar um horário de trabalho obriga o trabalhador a priorizar, tornando o seu trabalho muito mais eficiente. É assim uma vantagem para o trabalhador, mas também para o empregador.

– Aumento da produtividade

Este é um pronto muito importante, especialmente do ponto de vista do empregador. Na realidade, muitos empregadores caem no erro de considerar que o tempo de trabalho é o único fator associado à produtividade. Muitos estudos mostram que um trabalhador devidamente motivado é muito mais produtivo. Assim, ao permitir ao trabalhador ter a sua vida mais organizada, com horários de saída bem definidos, e ao mesmo tempo, estimulando uma maior eficiência durante o período em que se encontra no local de trabalho, conseguirá mantê-lo mais focado, concentrado e produtivo.

– Organização

Um trabalhador que consegue cumprir o seu horário de trabalho, tanto na entrada como na saída, cumprindo pelo meio todas as tarefas necessárias, mostra competência e organização. Além disso, o facto de sair do trabalho a tempo e horas com o trabalho realizado mostra também grande disciplina e eficácia. E ao consegui-lo fazer, conseguirá também organizar muito mais facilmente a vida fora do horário de trabalho, seja familiar ou de tempo pessoal.

– Maior descanso

Ao ter um horário de entrada e saída bem definido, o trabalhador terá tempo para si, para a família, para o lazer e para o descanso. O trabalho em excesso, pelo contrário, terá a médio prazo um efeito contraproducente, levando ao esgotamento do trabalhador, e assim, à redução da sua produtividade.

– Mais tempo para o desenvolvimento pessoal

No mundo actual, cada vez mais existe a necessidade de investir não só em habilidades técnicas, mas também em capacidades sociais. Com um horário mais definido, com uma rotina mais organizada e com tempo para a vida pessoal, também o trabalhador terá mais disponibilidade mental para investir em si próprio e nas suas capacidades interpessoais.

Em jeito de resumo, percebem-se facilmente as razões pelas quais deve começar a fazer um esforço para cumprir o seu horário de trabalho e sair a tempo e horas. Se o fizer, conseguirá ter mais tempo disponível para si e para a sua família, e ao mesmo tempo, ser mais produtivo e sentir-se bem no seu local de trabalho.

Acidente de trabalho – Tudo o que precisa de saber

Ninguém quer ter um acidente de trabalho. Mas se ele ocorrer, é importante conhecer a lei de modo a usufruir da sua proteção. Neste artigo poderá conhecer todas as informações sobre os acidentes de trabalho, nomeadamente o que são, os vários tipos, o que deve fazer, e ainda, a indemnização a que tem direito. Saiba mais.

Acidente de trabalho – definição legal

De acordo com o artigo 8º da Lei nº 98/2009, que regulamenta o regime de reparação de acidentes de trabalho e de doenças profissionais, um acidente de trabalho é todo aquele que ocorra no local de trabalho, durante o seu horário, e que daí resulte, direta ou indiretamente, algum tipo de dano corporal, perturbação funcional ou doença que provoque a redução da capacidade de trabalho ou até mesmo a morte.

Tipos de acidente de trabalho

Existem várias tipologias de acidentes de trabalho, estando estas definidas por lei. Assim, consideram-se acidentes de trabalho aquelas que ocorrem:

A – No percurso utilizado habitualmente, durante o período de ida e regresso entre:

1 – a residência e o local de trabalho;
2 – um dos locais do ponto 1 e o local onde irá receber tratamento médico resultante de um acidente de trabalho ou o local de pagamento do ordenado;
3 – o local de trabalho e o local de refeição;
4 – o local onde o local de trabalho habitual e o local onde o trabalhador presta algum tipo de serviço relacionado com o seu trabalho.

B – No local onde se faz o pagamento do ordenado.

C – Fora do horário e/ou local de trabalho, caso esteja a executar serviços acordados ou determinados pela entidade patronal.

D – Durante a procura de emprego, caso seja um trabalhador inserido num processo de dissolução de contrato de trabalho em curso.

E – No local de trabalho, durante o direito de atividade de representação e/ou reunião de trabalhadores, nos termos da lei.

F – Durante a prestação de serviços voluntários dos quais possam dar origem a benefícios económicos para a entidade laboral.

G – Quando em frequência de formação profissional dentro do local de trabalho, ou fora dele quando exista autorização expressa da entidade empregadora para essa frequência.

H – Durante a execução de serviços fora do local ou horário de trabalho, quando consentidos ou determinados pela entidade empregadora.

Comunicação do acidente de trabalho

Em caso de acidente grave ou mortal, este deve ser comunicado num prazo de 24 horas pelo empregador ao ACT. No caso do acidente ser na área da construção civil, caso o empregador não cumpra essa obrigação, a responsabilidade passa para a entidade executante. Caso esta falhe na comunicação, a responsabilidade é transmitida para o dono da obra que tem 24 horas após o primeiro prazo para fazer a comunicação.

Indemnização por acidente de trabalho

Para se poder calcular o valor da indemnização por acidente de trabalho, é antes necessário definir o tipo de incapacidade que daí resultou, para de seguida aplicar a fórmula correta. Os dois tipos de incapacidade que podem resultar de um acidente de trabalho são incapacidade temporária ou permanente.

– Fórmula de cálculo de indemnização por incapacidade temporária

a) incapacidade temporária absoluta: durante os primeiros 12 meses, indemnização diária igual a 70% da remuneração, e após esse período, 75%.
b) incapacidade temporária parcial: indemnização diária igual a 70% da redução real da sua capacidade de ganho.

– Fórmula de cálculo de indemnização por incapacidade permanente

a) incapacidade permanente absoluta: pensão anual e vitalícia de valor igual a 80% da remuneração. Caso mantenha alguma capacidade funcional para outro trabalho, a pensão terá o valor de 50% a 70%.
b) incapacidade permanente parcial: pensão anual e vitalícia de valor igual a 70% da perda real da capacidade de remuneração.

SOFT SKILLS – Impulsione a carreira com ajuda destas 6 soft skills

Já lá vai o tempo em que as empresas valorizavam apenas as competências técnicas dos seus profissionais. Hoje em dia a realidade é outra. Com a evolução do mercado de trabalho, essas competências já não são suficientes para se ser considerado um ativo importante da empresa. Além das necessárias competências técnicas, são ainda valorizadas as chamadas soft skills. De uma forma simples, estas são atitudes e comportamentos que ajudam a facilitar a interação humana e a melhorar o desempenho profissional. Conheça de seguida 6 soft skills que irão ajudar a impulsionar a sua carreira.

1 – Perseverança

Esta é uma das soft skills mais apreciadas em contexto profissional. A capacidade de focar-se nas soluções e não nos problemas perante um obstáculo é essencial para ultrapassar as adversidades e alcançar um determinado objetivo. Assim, um profissional perseverante conseguirá manter-se focado em descobrir uma solução sem nunca perder a motivação.

2 – Atitude positiva

Hoje em dia dá-se cada vez mais valor aos profissionais que encaram cada dia com uma atitude positiva, com alegria, entusiasmo e energia, não só porque são mais produtivos no seu trabalho, mas também porque podem contagiar essa boa atitude a outros colegas.

3 – Pensar “outside the box”

Esta expressão inglesa significa simplesmente pensar de uma forma mais criativa. Tendo em conta a complexidade dos problemas que surgem atualmente em contexto laboral, ter a capacidade de pensar em soluções criativas e eficazes que resolvam um problema e colocá-las em prática é algo muito valorizado pelas empresas.

4 – Trabalhar em equipa

O trabalho colaborativo é uma competência muito procurada pelas empresas. O trabalho em equipa traz inúmeros benefícios para a produtividade. Como tal, hoje em dia são cada vez mais procurados profissionais que tenham facilidade em trabalhar em equipa, em detrimento de pessoas que tenham dificuldade em colaborar e ajudar os colegas. Essa colaboração e entreajuda são essenciais para se atingir os objetivos globais da empresa.

5 – Saber gerir o tempo

A gestão do tempo é hoje em dia uma competência essencial para se conseguir produzir mais no mesmo período de tempo. Conseguir organizar o trabalho através da definição de objetivos, prioridades e prazos, é algo que as empresas valorizam bastante.

6 – Saber comunicar

Saber comunicar com facilidade é uma competência muito procurada pelas empresas. Esta soft skill permite, por exemplo, estabelecer boas relações com as pessoas que o rodeiam, saber fazer contactos com facilidade, ou ainda, ter a capacidade de influenciar positivamente as pessoas relativamente a um produto, projeto ou serviço.

Desenvolva soft skills e atinja o seu potencial profissional

Há ainda mais algumas soft skills valorizadas pelo mercado de trabalho tal como a capacidade de aprendizagem, saber resolver conflitos, conseguir adaptar-se facilmente a novas situações, entre outras. Se depois deste artigo perceber que não possui algumas destas soft skills, seria importante começar já a desenvolver as competências em falta. Tendo em conta a crescente valorização das soft skills pelo mercado de trabalho, elas são essenciais para alcançar todo o seu potencial profissional.

Conheça 10 profissões para quem gosta de trabalhar sozinho

Se há muitas pessoas que adoram o convívio com os colegas de trabalho e sentem-se melhor a trabalhar em equipa, já outras preferem ter pouco contacto com outras pessoas. As razões são várias, desde ser uma pessoa mais solitária, querer um ambiente mais concentrado, até preferir fazer as coisas à sua maneira, sem distrações ou intervenções de outros. Conheça de seguida 10 profissões para quem gosta de trabalhar sozinho.

Profissões para quem gosta de trabalhar sozinhos

Os seguintes exemplos abrangem áreas muito diversas, que incluem profissões com variados níveis de qualificação.

Motorista

Um motorista, seja de táxi, de camiões ou de transportes públicos, passa muito tempo sozinho durante as suas viagens. Os camionista então, passam todo o tempo sozinhos, tendo como única companhia o rádio.

Investigador

Em qualquer área de investigação, o trabalho em isolamento, além de ser uma realidade, é uma necessidade. Seja na pesquisa de informação, seja na análise científica, seja no trabalho prático em laboratório, a investigação é uma área que requer muito trabalho solitário.

Tradutor

Uma das profissões que pode ser feita a partir de casa é a de tradutor. Dessa forma, o tradutor pode trabalhar num ambiente calmo e sem ninguém em seu redor, tendo apenas de cumprir as especificações requisitadas e o prazo definido.

Programador

Um programador tem a função de criar programas informáticos. Como tal, boa parte do seu trabalho é em frente a um computador. Mesmo que esteja rodeado de outras pessoas, o trabalho acaba por ser bastante focado sem grandes interações com os colegas. É também um trabalho que é cada vez mais feito a partir de casa, aí sim, completamente sozinho.

Escritor

De uma forma geral, os escritores necessitam de trabalhar sozinhos de modo a libertarem o seu espírito criativo. Além disso, a concentração conseguida nesses momentos de solidão é essencial para organizar e estruturar a história.

Designer gráfico

Os designers são profissionais que ocupam a maior parte do seu tempo em trabalho individual. É também uma profissão onde ser freelancer é cada vez mais habitual, trabalhando a partir de casa.

Consultor

Um consultor é um profissional especializado numa determinada área que realiza consultoria a outras empresas, fazendo recomendações e ajudando a resolver determinadas situações. É por isso um profissional que geralmente trabalha sozinho.

Segurança

Considerado por muitos uma das profissões mais aborrecidas do mundo, é no entanto perfeito para todos aqueles que pretendem um trabalho sem grandes interações humanas.

Auditor

Tendo em conta a quantidade de dados que um auditor necessita de recolher e analisar, esta profissão exige um trabalho de grande concentração. Como tal, esta é uma profissão onde o isolamento é essencial.

Analista

Um analista tem como função analisar orçamentos ou riscos. Como tal, para o conseguir fazer de uma forma eficaz e eficiente necessita de avaliar um grande conjunto de dados e variáveis. É assim uma profissão que requer que o profissional passe muito tempo sozinho, em sossego e completamente concentrado.

Se gosta de trabalhar sozinho tem aqui 10 sugestões que pode abraçar para a sua vida profissional.

Dicas para o ajudar a definir metas para a sua carreira

Planeamento é uma das palavras-chave que fazem a diferença entre atingir ou não o sucesso profissional ao longo da sua vida. E um dos aspetos essenciais num correto planeamento da carreira é a definição de metas. Estas irão ser marcos que o orientarão ao longo da sua vida profissional. Porque ter objetivos claros sobre o que pretende alcançar irá ajudá-lo a ter uma visão a curto, médio e longo prazo, do seu percurso. Além disso, trabalhar com metas bem definidas torna-o mais focado e motivado, promovendo ainda a colocação e utilização eficiente das suas capacidades.

Contudo, definir objetivos de carreira não deve ser feito de ânimo leve. Metas orientadoras para a sua carreira profissional não podem limitar-se a ser uma simples lista de desejos. Para o ajudar a definir metas objetivas e criteriosas para a sua carreira, deixamos várias dicas que consideramos essenciais. Saiba mais.

Dicas para a definição de objetivos para a carreira

Criar metas globais, objetivos parciais, analisar competências e capacidades, avaliar a exequibilidade, etc., são tudo aspetos a ter em conta quando definir o que pretende alcançar na sua carreira. Conheça de seguida várias dicas que o vão ajudar.

Dica 1 – Comece por criar uma visão abrangente e global daquilo que pretende atingir ao longo da sua carreira. Essa visão permitirá definir uma linha orientadora que irá unir todos as metas.

Dica 2 – Após a definição das principais metas, a tal visão global de que falamos no ponto anterior, deve então criar um conjunto de objetivos para cada uma delas. Ou seja, vários patamares que deverá alcançar de modo a chegar ao objetivo final. Estes patamares permitirão mais facilmente manter-se motivado, e ao mesmo tempo, facilita a visualização do seu progresso.

Dica 3 – Não vale a pena escolher objetivos pouco claros. Exemplos: “ser rico”, “ser o dono de uma empresa”, etc. Seja específico. Se pretende atingir um determinado patamar numa empresa, deve ser claro sobre que patamar é esse.

Dica 4 – Definir metas para a sua carreira não é o mesmo que criar uma lista de desejos. Deve analisar muito bem as suas competências, as suas capacidades e os seus recursos, e depois, tendo isso em conta, definir uma meta realista.

Dica 5 – Definir metas sem estabelecer um prazo é geralmente meio caminho andado para o seu não cumprimento. Defina uma meta temporal, que seja realista mas não seja demasiado descontraída. Esse prazo deve ser exequível, mas ao mesmo tempo, deve estimulá-lo a avançar. Estabeleça ainda uma linha temporal, onde o prazo para cada um dos objetivos parciais esteja bem definido.

Dica 6 – A vida não é feita apenas de trabalho, e por mais que deseje o sucesso profissional, e este seja importante para a vida pessoal, isso não signifique que deva ser a sua prioridade máxima. Afinal, o equilíbrio é a palavra-chave para o bem-estar emocional e familiar. Como tal, defina um plano ambicioso, mas que nunca coloque em causa o tempo com a sua família.

Siga estas dicas e conseguirá definir claramente o que pretende na sua carreira e como atingir essas metas.

Como fazer para recusar um emprego educadamente

Apesar de se viverem tempos difíceis, com um desemprego alto e condições económicas a deteriorarem-se, você não tem que aceitar qualquer emprego que surja. Caso tenha um rumo definido para os anos seguintes, por vezes dar um passo atrás é necessário para depois conseguir dar dois em frente. Por isso, recusar um emprego pode não ser tão absurdo como à partida pareça ser. No entanto, e como a vida nem sempre corre da maneira como se planeia, é importante não fechar definitivamente portas, pois no futuro podem ser necessárias. Assim, para o ajudar a recusar um emprego, sem no entanto fechar completamente a porta a essa possibilidade, é importante saber fazê-lo de uma forma educada e respeitosa. Conheça de seguida as nossas dicas para recusar um emprego educadamente.

Dicas para comunicar a rejeição de um emprego

Há algumas dicas essenciais para que a sua recusa seja vista como respeitosa, educada e não definitiva. Conheça-as e saiba como deixar uma imagem positiva durante a rejeição da vaga de emprego.

Dica 1 – Recusar um emprego não o comunicando ou fazendo de uma forma muito ligeira (por exemplo, através de um SMS), não é a melhor forma de deixar uma imagem positiva e profissional. Prefira enviar uma carta ou um email endereçado à pessoa que lhe fez a proposta ou que o entrevistou.

Dica 2 – É importante que o conteúdo da carta seja clara e objetiva, mas sem entrar em detalhes sobre os motivos que o levaram a recusar essa vaga. Os motivos são seus e podem ser vistos como razão para não o considerarem mais tarde.

Dica 3 – Se der algum motivo de recusa, não se justifique com aspetos negativos como carga horária alta ou inconveniente ou rendimento baixo.

Dica 4 – Na carta que enviar lembre-se de fazer um agradecimento pela oportunidade e por o considerarem para o lugar. Ao mesmo tempo, deixe claro que não recusou de ânimo leve, tendo pensado muito bem antes do fazer.

Dica 5 – Após lhe fazerem uma proposta de emprego, não deixe passar muito tempo até dar uma resposta. Se não está a pensar em aceitar, não protele em demasia, de modo a dar tempo à empresa de continuar a sua procura. Contudo, não recuse também imediatamente, de modo a dar a entender que avaliou muito bem a proposta antes da sua resposta final.

Dica 6 – Além de todas as dicas anteriores, que o ajudarão a recusar de uma forma educada e positiva uma determinada vaga de emprego, é essencial também deixar as portas abertas para o futuro. Assim, não deixe de o referir na comunicação que fizer com a empresa que o tenta recrutar. Para isso, mencione que não afasta a possibilidade de uma colaboração futura, em circunstâncias mais adequadas para ambos.

Siga as nossas dicas e conseguirá deixar uma imagem positiva e profissional, mesmo na hora de recusar um emprego. E no mundo do trabalho, ter uma imagem positiva perante pares e empregadores é essencial para o sucesso profissional.