Falar de negócios à mesa – vantagens e desvantagens

Falar de negócios à refeição é uma tradição em muitos locais e empresas. Mas será essa a melhor abordagem para o seu negócio? Conheça as vantagens e desvantagens de falar de negócios à mesa.

VANTAGENS

Existem várias vantagens no que diz respeito a fazer uma reunião de negócios durante uma refeição. Estas incluem:

Otimização do tempo – A primeira vantagem está logo relacionada com o aproveitamento eficaz do seu tempo. Assim, se tiver o seu horário muito preenchido, pode aproveitar para ter uma refeição adequada, ao mesmo tempo que risca mais uma tarefa da sua agenda.

Maior informalidade – Falar de negócios à mesa ajuda a baixar barreiras entre os vários interlocutores, o que facilita a proximidade e familiaridade entre eles. Partilhar uma refeição enquanto se fala de negócios é assim uma forma de melhorar a comunicação entre os vários elementos.

Facilitação da negociação – Tratar de negócios pode gerar algumas tensões e conflitos. Afinal, negociar significa cedências e aproximações. Ao realizar uma negociação num ambiente mais informal e descontraído, algumas dessas tensões desaparecem, facilitando assim a negociação e reduzindo a possibilidade de ocorrência de conflitos.

Maior facilidade em avaliar – Tendo em conta o carácter mais informal e descontraído de uma negociação à mesa, torna-se mais simples avaliar as reações das várias pessoas. Dessa forma, é mais fácil avaliar o comportamento e a própria personalidade de quem está a negociar consigo.

DESVANTAGENS

Apesar de existirem diversas vantagens em falar de negócios à mesa, naturalmente que não há apenas pontos positivos associados. Conheça de seguida as desvantagens em negociar durante uma refeição.

Ruído perturbador – Se não tiver o cuidado de escolher um restaurante com um ambiente calmo e tranquilo, arrisca-se a falar de negócios à mesa com muito ruído à sua volta. Torna-se por isso mais difícil comunicar de uma forma eficaz, havendo ainda a probabilidade de ser interrompido por alguém conhecido ou pelos empregados de mesa.

Distrações – Ao contrário de uma sala de reuniões, onde se torna mais fácil todos os intervenientes focarem-se e concentrarem-se na negociação, num restaurante as distrações são várias.

Escolha do restaurante – A escolha do restaurante pode ainda ter uma influência negativa no rumo das negociações, já que a outra pessoa pode não ficar agradado com o local escolhido. Quando isso ocorre, mesmo inconscientemente, essa pessoa não estará a concentrar todas as suas energias e foco na negociação, mas também na sensação desagradável associada à escolha infeliz do restaurante.

Falta de tempo para descontrair – Uma negociação, seja à mesa ou não, é sempre trabalho. Dessa forma, e apesar de ser muito conveniente aproveitar o período de almoço ou jantar para tratar de negócios, isso também impede que possa desfrutar da sua refeição com tranquilidade.

Agora que conhece as vantagens e desvantagens de falar de negócios à mesa, deve avaliar qual a melhor escolha para si e para a sua empresa. Caso opte por reunir durante as refeições, deve ter em conta as boas maneiras e o controlo na ingestão de álcool. Afinal, deve passar para a outra pessoa uma imagem correta e profissional.

Quais os sinais de que vai ficar endividado

A gestão do orçamento mensal é essencial no bem-estar e tranquilidade de uma família. Se as suas finanças forem mal geridas, toda a família irá sofrer. Por isso, para evitar que chegue a uma situação grave, deve estar atento a alguns sinais. Conheça de seguida quais os sinais de que vai ficar endividado.

Comprar de forma compulsiva
Vivemos numa sociedade consumista, e como tal, fazer compras tornou-se quase uma forma de estar na vida. Fazer compras de forma compulsiva é muitas vezes o primeiro passo rumo ao endividamento.

Falhar pagamentos
São poucas as pessoas que nunca falharam um pagamento. Por vezes por uma situação esporádica, outras apenas por esquecimento. No entanto, quando as falhas de pagamentos são frequentes, isso significa que tem dificuldade em pagar as suas contas com o dinheiro disponível. Este é um forte sinal de que está a ficar endividado.

Ter vários cartões de crédito
Para quem está numa situação financeira débil, o cartão de crédito é uma “faca de dois gumes”. Ou seja, pode ser muito útil para uma situação excecional, onde necessite de fazer um pagamento urgente para o qual não tem dinheiro, ou então, ser perigoso, caso os utilize para manter um estilo de vida para o qual já não tem posses. E como a utilização de crédito implica o pagamento de taxas de juros altas, o seu uso frequente é um sinal de que estará a ficar endividado.

Viver acima das suas possibilidades
Quem vive acima das suas possibilidades está a caminho do endividamento. Se está a tentar manter um estilo de vida para o qual não tem dinheiro, estará a gastar as suas poupanças, ou então, a usar dinheiro de que não tem. Seja qual for o caso, é um caminho que apenas tem um destino: o endividamento.

Recorrer a empréstimos
empréstimos que se tornam quase obrigatórios. Comprar uma casa, um carro, ou uma situação de saúde urgente. E se a taxa de esforço for adequada, esses empréstimos são facilmente geridos. O problema é quando se começa a recorrer a empréstimos para outras situações. Tecnologia, mobiliário, viagens, roupas, etc. Quando isto acontece consecutivamente, é sinal de que poderá vir a ficar endividado.

Priorizar pagamentos
Um dos sinais mais fortes de que estará a ficar endividado é quando tem de priorizar os seus pagamentos mensais, devido ao facto dos rendimentos disponíveis não serem os suficientes para pagar as suas responsabilidades.

Recusa de um empréstimo
Os bancos centrais de cada país, como é o exemplo do Banco de Portugal, tem um histórico financeiro de cada pessoa. Quando este histórico é irregular, isso significa que essa pessoa tem gerido de forma inadequada as suas contas, podendo já ter situações de cheques “carecas”, dívidas não pagas, ou empréstimos em situação de incumprimento, entre outras. Por isso, se vir recusado um pedido de empréstimo, isso significa que tem administrado mal o seu dinheiro, estando por isso a um pequeno passo do sobreendividamento, ou mesmo da bancarrota.

6 passos para obter lucro no seu negócio

O maior objetivo de qualquer negócio ou empresário é obter o lucro. Todavia, para que uma empresa, especialmente uma startup, se transforme num negócio sustentável e lucrativo, é preciso muito mais do que a paixão do empresário, é fundamental planear e aplicar com rigor um conjunto indispensável de estratégias.

Confira abaixo seis dicas que podem ajudar-lhe a refletir sobre as suas estratégias para obter lucro no seu negócio:

Cobrar o preço correto
Um dos erros mais comuns cometidos por novos negócios é o de tentar ganhar clientes através de uma redução enorme de preços ou mesmo de oferecer gratuitamente serviços e produtos. Estar a comercializar produtos que nem cobrem os custos, não é a melhor forma para um negócio crescer, pelo contrário, pois o preço a cobrar desde o início deve incluir uma margem de lucro.
Saiba como calcular a margem de lucro (AQUI).

O preço a cobrar tem de ter em conta todos os custos associados, e deve ponderar a sua sustentabilidade a médio longo prazo. Só depois de definir o seu preço é que deve olhar para a concorrência. Se o preço estiver muito acima da concorrência e não consegue diminuí-lo, deve tentar vendê-lo, investindo num produto diferenciador, em estratégias de marketing e em dar mais opções aos clientes.

É normal as pequenas empresas cobrar mais pelos seus produtos/serviços, os quais têm geralmente um custo unitário superior, mas têm também mais qualidade que os outros. É nesta diferença de qualidade que pode levar os consumidores estarem dispostos a adquirir artigo/serviço semelhante mais caro, pelo que se deve ter em conta o rácio qualidade/preço.

Escolher público-alvo
Uma empresa necessita de trabalhar com o tipo de cliente certo, e cobrar o preço correto ajuda a chegar ao seu público-alvo. O tipo certo de cliente para o seu negócio é aquele que intuitivamente percebe que o seu produto lhe oferece a melhor opção, que tem o dinheiro para lhe pagar, e que ainda lhe permite fidelizar enquanto cliente. Estes clientes podem ainda fazer publicidade ao seu negócio com amigos, familiares e colegas.

Na fase comercial, você tem de ver o cliente como alguém que tem uma necessidade que precisa que a mesma seja satisfeita. Quanto mais conseguir colmatar estas necessidades, mais sucesso terá nas vendas e aumentará o lucro.

Definir margem de lucro
Para um pequeno negócio obter lucro, é fundamental definir uma boa margem de lucro. Faça uma pesquisa detalhada de mercado para saber que tipo de margens pode ambicionar para o seu produto.

Pode eventualmente pensar que pode ter uma margem mais reduzida e lucrar, caso consiga efetuar um bom volume de vendas. Contudo, é necessário ponderar muito bem nesta questão, pois esse lucro pode não ser suficiente para a viabilidade financeira do seu negócio.

Fluxo de caixa
O fluxo de caixa também tem um contributo importante para o lucro. Isto significa encontrar clientes que pagam a tempo e a horas. Um dos segredos para o fluxo de caixa é o de cobrar o preço certo aos clientes. O preço certo é aquele que tem uma margem decente e simultaneamente é fácil de vender. Os clientes certos pagarão um pouco mais por algo especial que tenha para oferecer e, além disso, pagarão a tempo.

Não pense no futuro, antes de preparar o presente. É mais importante o dinheiro que você tem no banco do que potenciais vendas no futuro. Para aumentar o dinheiro no banco, concentre-se em construir um produto ou serviço que é fácil de vender a um cliente ideal. Lembre-se de não fazer um preço artificial insustentável e consequente redução de margem do lucro.

Pesquisar sobre o nicho de mercado
É também importante pesquisar e ponderar bem sobre o nicho de mercado em que vai apostar e se o mesmo tem procura. Certifique-se que não tem um número excessivo de concorrêntes. O ideal seria apostar num nicho com pouca oferta e com muita procura, o que significaria grandes lucros.

Qualidade de atendimento
Muitos clientes optam e pagam mais por um determinado bem ou serviço, quando a qualidade de atendimento é muito boa. Além disso, muito bons serviços de atendimento permitem fidelizar o cliente pelo que, além de estar a vender e a obter lucros no presente, está também a garantir o futuro de uma forma equilibrada. Caso não tenha uma boa qualidade de atendimento, dificilmente poderá obter lucro.

Dicas de poupança doméstica

Perante a quebra de rendimentos e o aumento de despesas que se tem verificado nos últimos anos em Portugal, algumas coisas que antes faziam parte do nosso dia-a-dia, passaram para segundo e terceiro plano. É o caso da idas ao cabeleireiro, à esteticista, ao ginásio, fugas ao fim-de-semana, etc. Contudo, uma boa gestão do nosso orçamento familiar pode fazer amealhar-nos algum dinheiro para que, de vez em quando, consigamos desfrutar de alguns destes miminhos. Para isso, basta seguir algumas das dicas que deixamos aqui:

1 – Gestão/Controlo dos gastos
É muito importante fazermos uma boa gestão do nosso dinheiro e, para isso, nada melhor que arranjar um bloquinho onde podemos anotar todos os gastos que vamos fazendo ao longo do mês, incluindo pequenos gastos como a compra de uma revista ou o consumo de café. Lembre-se que só assim pode ter consciência dos seus gastos e onde pode cortar para conseguir a amealhar algum dinheiro.

2 – Ida ao supermercado
Fazer uma lista com os produtos que precisamos é sempre uma óptima maneira de poupar e evitar comprar produtos que não fazem falta ao nosso bem-estar. Portanto, se tem por costume fazer compras semanais, verifique sempre os produtos que tem em casa, planeie as refeições para essa semana, veja o que tem de comprar e faça a sua lista. Desta forma, evitar comprar produtos desnecessários, além de ainda poupar tempo nas compras. Saiba mais sobre como poupar no supermercado aqui.

3 – Planeamento das refeições
Fazer um planeamento semanal das refeições pode ser muito útil, pois permite-nos ter uma melhor noção dos produtos que temos em casa, assim como de possíveis sobras e a melhor maneira de como podemos usá-las numa refeição. Assim, quando vamos às compras já sabemos do que precisamos e evitamos comprar coisas desnecessárias.

4 – Produtos de limpeza
Actualmente, existem produtos para tudo e mais alguma coisa, mas na verdade precisamos apenas de 3 ou 4 para limpar e manter a higienização da casa. Por exemplo, o detergente da louça pode ser usado para lavar o fogão, o forno, o balcão, o micro-ondas, o frigorífico, tirar nódoas de toalhas e panos; o detergente lava tudo por ser um desinfetante e desengordurante, é óptimo para limpar o chão, a casa de banho e a cozinha; o limpa-vidros e limpa móveis são perfeitos para limpar o pó da casa e deixá-la limpa e perfumada. Quando for ao supermercado, opte por comprar produtos de marca branca, ao invés de produtos de outras marcas bem mais caras. O efeito é praticamente o mesmo e sempre poupa algum dinheiro.
Nota: Em relação ao detergente de louça, não precisa de usar muito quando está a lavar. Bastam 2/3 gotas e acrescentar água quente. Se a esponja não absorver bem, então é porque precisa de ser trocada.

5 – Gestão da água
Evite o desperdício de água. Quando for tomar banho, lavar os dentes, as mãos, a louça ou a roupa, nunca deixe a água a correr. Devemos fechar a torneira sempre que estamos a ensaboar. Abra apenas a torneira quando precisa. Evite também tomar banhos longos ou de emersão, visto que estes envolvem grandes gastos de água. No caso da máquina de lavar roupa use a temperatura mínima (30ºC) se achar que a roupa não está muito suja e coloque-a a lavar durante os períodos de gasto de energia mais baixos, ou seja, durante as horas do período nocturno e fins-de-semana para quem tem a tarifa bi-horária da electricidade. Assim, vai evitar gastar água desnecessariamente, ajuda o ambiente, e a sua factura vai pesar menos ao final do mês. Saiba mais sobre como poupar na factura da água aqui.

6 – Alimentação
Tente fazer 4 a 5 refeições por dia e comece sempre as refeições principais com um prato de sopa. Além de ajudar a manter a linha, também é bom para a carteira, pois tem menos fome ao longo do dia e não precisa de comer tanto nas refeições principais. Evite também fazer refeições fora de casa. Além de poder fazer escolhas mais saudáveis, poupa imenso dinheiro. Ao almoço, pode optar por preparar uma marmita ao invés de ir comer à cantina, ao café ou ao restaurante mais próximo. Além de ser mais saudável e poupar dinheiro, tem aqui uma oportunidade de conviver mais com os seus colegas.

7 – Sobras
Inove na cozinha! Aproveite as sobras que tem em casa para fazer novos pratos. Pode usar restos de carne para fazer alguns salgadinhos ou restos de bacalhau para fazer “roupa velha” ou até “bacalhau-à-brás”, os legumes pode usá-los para fazer umas deliciosas quiches vegetarianas e o pão pode usar em açordas ou em tostas. Como pode ver é possível evitar o desperdício. É tudo uma questão de imaginação.

8 – Limpeza/Arrumação
Tente sempre ter os produtos de limpeza arrumados e organizados, pois assim evita comprar produtos que tem em casa. Limpe também o frigorífico com alguma regularidade para evitar a acumulação de gelo. Este gesto evita o desperdício de energia.

Como pode ver, com uma boa gestão e algum esforço é possível poupar em imensas coisas e ainda amealhar algum dinheiro para os nossos gastos pessoais.

Autora: Vanessa Cardoso

Como transformar uma paixão num negócio

Quantas pessoas podem dizer que adoram o que fazem? Muitos trabalham apenas para ter o dinheiro no final do mês, não retirando grande satisfação da sua atividade. E se pudesse transformar a sua paixão num negócio e viver desse rendimento? Seria fantástico, não concorda? Se tem uma paixão que gostaria de ver transformado num negócio, então conheça os passos que deve dar para o conseguir.

OS PASSOS QUE DEVE DAR PARA INICIAR UM NEGÓCIO PRÓPRIO

Antes de mais, por mais paixão que tenha por uma determinada atividade, é preciso conhecer bem todos os passos necessários para iniciar e manter um negócio próprio. De seguida poderá conhecer os vários passos essenciais para ter sucesso em transformar a sua paixão num negócio.

1 – Informar-se bem
Ninguém nasce ensinado, por isso não se preocupe se ainda se sente um pouco perdido na preparação do início do seu negócio. Não há nada como se informar e perguntar o que necessita de saber. Existe hoje muita informação disponível, bem como locais próprios de apoio ao empreendedor. Além disso, pode e deve usar a sua rede de contactos para ter acesso a pessoas familiarizadas com a área empresarial, aos quais pode pedir conselhos e orientação. Na maioria das vezes, as dicas recebidas de pessoas realmente no terreno são muito valiosas, com resultados concretos no seu sucesso.

2 – Planeamento
Não basta ter muita paixão e querer. É necessário planear bem como irá iniciar a sua empresa. A sua estrutura, como abordar o nicho de mercado, a produção (caso haja fabrico de um determinado produto), a angariação e construção de uma base de clientes, etc. Tudo isso deve ser pensado antes de levar avante o seu projeto. Planeie tudo com cuidado e atenção, para que a sua empresa tenha um funcionamento eficiente logo desde o início. O que não significa que não deve avaliar e reformular o que for necessário, numa base periódica.
Saiba mais sobre Como planear a criação de um negócio Aqui

3 – Definir uma estratégia
Qualquer empresa tem de ter uma visão e uma estratégia para o futuro. Não se chega ao sucesso de um dia para o outro, e como tal, para o alcançar é necessário definir uma estratégia que o ajude a lá chegar. Por isso é igualmente importante rodear-se por pessoas que tenham a mesma visão e que o ajudem a operacionalizar essa estratégia.

4 – Gestão de expetativas
Ter um negócio não é algo fácil. Na realidade, a maioria das pessoas prefere a segurança de um salário. É importante saber gerir expetativas pois a única segurança que existe é a qualidade do seu trabalho e da sua empresa. Emocionalmente há dias melhores e dias piores, pois haverá meses mais positivos que outros. Além disso, na grande maioria das empresas, a contabilidade apenas se torna lucrativa ao fim de 1 a 2 anos. Mas a vantagem de transformar a paixão num negócio é que estará a fazer algo que adora, o que irá ajudar imenso, seja a nível motivacional, seja a nível da qualidade do serviço ou produto que oferece.

5 dicas para ensinar os seus filhos a lidar com o dinheiro

“É de pequenino que se torce o pepino!” Este ditado diz muito sobre a altura certa para se aprender muitos dos hábitos corretos que se esperam ver nos filhos quando chegarem a adultos. Saber lidar com o dinheiro é uma das aprendizagens mais importantes enquanto crianças. É nesta fase da vida que uma criança irá aprender o valor do dinheiro, como o gerir e claro, como poupar. São estas aprendizagens que irão ajudar a evitar que mais tarde se torne num adulto cheio de dívidas. Conheça de seguida várias dicas sobre como ensinar os seus filhos a lidar com o dinheiro.

DICAS PARA ENSINAR OS FILHOS A LIDAR COM O DINHEIRO

Ensinar através do exemplo
Não há nada mais poderoso que o exemplo dado pelos pais. Seja ele positivo ou negativo. Como tal, se quer ensinar os seus filhos a saber lidar com o dinheiro, deve começar por dar primeiro o exemplo. Se for um pai gastador e consumista, as probabilidades de o filho ser igual são muito altas. Já se souber gerir o dinheiro e economizar, esse comportamento irá influenciar os seus filhos a fazer o mesmo.

Conversar sobre o assunto
Quando ainda são muito novas, as crianças não têm noção de dinheiro. Como tal, é uma fase em que pedem tudo o que lhes apeteça. É por isso importante incutir desde cedo a ideia de que o dinheiro não é infinito, e como tal, para poder gastar nalgumas coisas, é preciso poupar noutras.

Técnica do envelope
Esta técnica é excelente para ajudar a criança a analisar os seus gastos e reconhecer prioridades na forma como usa o seu dinheiro. Assim, nesta técnica o pai ou a mãe senta-se com a criança e fazem uma lista de algumas coisas que ela gostaria de comprar ao longo de um mês. Depois de feita essa lista, colocam o dinheiro necessário para adquirir cada uma delas em envelopes separados. A criança verificará o valor de cada item, e se quiser guardar esse dinheiro para uma compra mais cara, pode fazê-lo.

Dar uma mesada
A mesada, ou mesmo a semanada, muitas vezes é confundido com hábitos de pessoas ricas. Ter uma mesada não significa receber uma quantia muito grande de dinheiro. Significa sim receber um valor determinado pelos pais como ajustado, quantia essa que terá de ser gerida pela criança. Esta micro gestão irá ajudá-la a aprender noções básicas como gestão de gastos, poupança, planeamento e a própria importância do dinheiro. Naturalmente que para esta dica funcionar, os pais não podem dar mais dinheiro antes do dia pré-determinado.

Mostrar que o dinheiro não é o mais importante
É essencial criar nas crianças a ideia de que há valores mais importantes que o dinheiro. Tenha esse cuidado na educação dos seus filhos, e eles perceberão mais tarde a importância do dinheiro, mas sem lhe darem importância a mais. Valorize mais o trabalho necessário para ganhar o dinheiro e aquilo que pode fazer com ele, do que o dinheiro em si.

As cidades mundiais com maior concentração de bilionários

Existem bilionários pelo mundo fora, mas eles preferem viver em determinadas cidades do mundo. Integra a lista dos bilionários quem tem fortunas acumuladas superiores a mil milhões de dólares (cerca de 908,5 milhões de euros). Confira abaixo a lista das cidades mundiais onde mais bilionários vivem, segundo a revista Forbes.

Lista das cidades com mais bilionários do mundo

1. Nova Iorque (EUA) – 79 bilionários, 364600 milhões de dólares de riqueza combinada;
2. Hong Kong (China) – 68 bilionários, 261300 milhões de dólares de riqueza combinada;
3. Moscovo (Rússia) – 60 bilionários, 217600 milhões de dólares de riqueza combinada;
4. Beijing (China) – 51 bilionários, 149900 milhões de dólares de riqueza combinada;
5. Londres (RU) – 48 bilionários, 187700 milhões de dólares de riqueza combinada;
6. Mumbai (Índia) – 32 bilionários, 115100 milhões de dólares de riqueza combinada;
7. Shanghai (China) – 31 bilionários, 66100 milhões de dólares de riqueza combinada;
8. Shenzhen (China) – 30 bilionários, 78000 milhões de dólares de riqueza combinada;
8. Seul (Rep. Coreia) – 30 bilionários, 73900 milhões de dólares de riqueza combinada;
9. San Francisco (EUA) – 28 bilionários, 74500 milhões de dólares de riqueza combinada;
10. Istambul (Turquia) – 26 bilionários, 39000 milhões de dólares de riqueza combinada;
11. Paris (França) – 22 bilionários, 147900 milhões de dólares de riqueza combinada;
12. Singapura (Singapura) – 21 bilionários, 54500 milhões de dólares de riqueza combinada;
13. Taipei (Taiwan) – 20 bilionários, 42400 milhões de dólares de riqueza combinada;
13. Los Angeles (EUA) – 20 bilionários, 70700 milhões de dólares de riqueza combinada;
14. Tóquio (Japão) – 18 bilionários, 62300 milhões de dólares de riqueza combinada;
15. Hangzhou (China) – 17 bilionários, 60800 milhões de dólares de riqueza combinada;
16. Dallas (EUA) – 16 bilionários, 51000 milhões de dólares de riqueza combinada;
16. Guangzhou (China) – 16 bilionários, 38800 milhões de dólares de riqueza combinada;
17. Milão (Itália) – 15 bilionários, 59200 milhões de dólares de riqueza combinada;
18. São Paulo (Brasil) – 14 bilionários 54100 milhões de dólares de riqueza combinada;
18. Nova Deli (Índia) – 14 bilionários, 47200 milhões de dólares de riqueza combinada;
18. Bangkok (Tailândia) – 14 bilionários, 42200 milhões de dólares de riqueza combinada;
18. Dubai (EAU) – 14 bilionários, 37000 milhões de dólares de riqueza combinada;
19. Genebra (Suíça) – 13 bilionários, 124900 milhões de dólares de riqueza combinada;
19. Chicago (EUA) – 13 bilionários, 41500 milhões de dólares de riqueza combinada;

Comportamentos que influenciam os futuros líderes

Uma das características mais importantes de uma criança é a sua capacidade de absorver e apreender novas informações. Afinal, é nesta fase que a criança se desenvolve e se prepara para ser um futuro adulto, estando por isso biologicamente preparada para recolher a maior quantidade de informação possível.

Tendo isso em conta, é fácil perceber que a educação, o contexto e o próprio comportamento das pessoas que rodeiam uma criança, têm um efeito muito forte naquilo que vão ser as características enquanto adulto. Dessa forma, o seu comportamento enquanto pai pode vir a ter um papel positivo ou negativo na capacidade de autonomia e liderança do seu filho. Conheça de seguida quais os comportamentos corretos para influenciar positivamente o seu filho, de modo a adquirir competências que façam dele no futuro um adulto empreendedor, autónomo e com capacidades de liderança.

Comportamentos que marcam os futuros líderes

A capacidade de resolver um problema é essencial na vida. Como tal, sempre que surgir um problema ao seu filho, dê tempo que ele consiga resolvê-lo sozinho, apenas ajudando em último caso.

Uma das melhores formas de aprender é com os erros. Partilhe as suas histórias menos positivas com os seus filhos de quando tinha a idade deles, procurando com eles analisar o que fez de errado e como conseguiu ultrapassar essa dificuldade. Os seus erros podem ser muito pedagógicos, se corretamente abordados.

Ser inteligente ou ter uma especial aptidão para algo não significa que a criança tenha mais maturidade. Frequentemente há pais que, por o seu filho ter boas notas na escola, descuram certas aprendizagens por considerarem que ele já tem bastante maturidade. Não confunda inteligência com maturidade.

A proteção excessiva que marca muitas relações pai/filho hoje em dia torna as crianças menos empreendedoras e demasiado receosas em arriscar. É essencial deixar a criança experimentar, com supervisão, mas sem excesso de segurança.

Quando uma criança conquista algo ou faz uma tarefa bem feita, é importante mostrar-lhe que está contente. Contudo, recompensar cada conquista positiva irá dar a ideia que na vida tudo o que faça bem terá imediatamente uma recompensa. É necessário que a criança aprenda que fazer algo bem deve ser natural e não algo especial.

A vida é feita de dificuldades, e uma criança tem de perceber que elas são naturais e uma motivação para crescer. Se for incutida desde cedo a desejar facilidades, quando aparecerem contrariedades, ela não estará mentalmente preparada para as enfrentar.

Não há melhor forma de ensinar que pelo exemplo. Não vale a pena falar tudo certo se depois faz o contrário. As crianças irão seguir, não as palavras, mas os comportamentos que veem nos seus pais. Dê o exemplo. Se mostrar aos seus filhos, através do seu exemplo, a ter atitudes corretas perante os outros, a saber lidar com os dificuldades, a procurar soluções em vez de problemas, a pedir desculpa quando fez algo errado, etc., você estará a influenciar positivamente o seu filho e a incutir nele características que farão dele um futuro líder.

Estratégias para motivar os seus funcionários

Motivação é uma das palavras-chave mais importantes para o sucesso de uma empresa. Se não tiver uma equipa motivada, não terá o comprometimento, o foco e a produtividade necessárias para levar o seu projeto ao sucesso. É por isso natural que a motivação dos funcionários se tenha tornado uma peça importante na gestão dos recursos humanos nos últimos anos.

Já lá vai o tempo em que a única motivação utilizada era o aumento salarial. Hoje em dia sabe-se que esse é apenas um fator, não sendo individualmente suficiente para aumentar a produtividade da sua empresa. Se pretende levar a sua empresa ao sucesso, então terá obrigatoriamente que ter uma estratégia de motivação dos seus funcionários, de modo a todos em conjunto “remarem para o mesmo lado”. Conheça de seguida como motivar a sua equipa de uma forma eficaz.

Pesquisas recentes mostram que entre os principais fatores que ajudam a manter a motivação em níveis adequados encontram-se o reconhecimento profissional, o ambiente de trabalho e o relacionamento entre colegas, a possibilidade de evoluir dentro da empresa, e ainda, fazer algo de que gosta. Ou seja, o dinheiro, apesar de ser naturalmente um fator importante, não é o que mais motiva as pessoas. Então, como incutir nos seus funcionários aquela vontade de trabalhar com gosto e de se sentirem bem enquanto o fazem? Saiba mais de seguida.

A qualidade de vida é hoje em dia um dos fatores mais importantes na motivação de um funcionário. Não é por acaso que, além de salários mais atrativos, muitas empresas apostem em dar todas as condições no local de trabalho para que o colaborador se sinta bem. Refeitórios, uma pequena cozinha, um aspeto agradável, um cabeleireiro, um jardim infantil, etc., são alguns exemplos, naturalmente adaptados à dimensão da empresa.

Trabalhar muitas horas não é claramente a melhor forma de se obter a produtividade necessária. As pessoas não são máquinas que quanto mais trabalhem, mais produzem. Por vezes, permitir a flexibilização do trabalho, mediante as características da empresa, pode ser a melhor forma de tirar dos seus colaboradores o máximo de produtividade.

Outro ponto que ajuda a motivar os funcionários é a possibilidade de subida na carreira. Para que um trabalhador se mantenha motivado a fazer o seu trabalho com eficácia e com qualidade, ele deve conhecer claramente qual o plano de carreira que a empresa oferece. Para isso é necessário ter uma estrutura organizada e transparente, e que esteja ao alcance de todos, mediante o seu mérito e outros critérios. Se um funcionário souber onde pode chegar e o que tem de fazer para o alcançar, irá sentir-se motivado a trabalhar.

Ser um chefe e ser um líder são coisas muito diferentes. Por exemplo, um chefe manda e um líder distribui responsabilidades. E este ponto é muito importante, pois ao criar oportunidades de liderança, um líder ensina a liderar, aumentando no funcionário a responsabilidade, as suas capacidades, e por fim, a sua motivação para a tarefa em questão.

8 ideias para ganhar dinheiro nos tempos livres

Tem tempo livre e quer ganhar algum dinheiro extra? Então, tome nota de 8 ideias simples para ganhar dinheiro sem ter que gastar muito tempo.

Ensine o que sabe – Domina fluentemente alguma língua estrangeira? Toca algum instrumento musical? Estas são algumas das competências que podem conduzir a um part-time sem grande esforço. Tenha em atenção as suas qualidades e promova os seus serviços na internet.

Venda roupa que não usa – Vender a roupa e os acessórios que já não usa pode ser uma boa ideia para ganhar algum dinheiro. Por isso, dê uma vista de olhos no seu guarda-roupa e organize as peças que não usa para vender. Pode aproveitar a internet para divulgar/vender (facebook e sites) ou marcar presença em mercados de artigos de 2ª mão organizados em diversas cidades.

Escreva textos – Se acha que escreve bem e prefere que o seu nome não conste nos sites/blogs onde são publicados os seus textos, procure entrar em contato com administradores de sites/blogs para oferecer os seus serviços.

Junte-se à Uber – Uma outra boa ideia para obter um rendimento extra é usar o seu automóvel para trabalhar nas horas livres. A aplicação de transportes Uber está sempre à procura de novos parceiros.

Apresente a sua cidade – Se gosta de conhecer gente nova e conhece a sua terra melhor do que a palma da sua mão, pode fazer disso uma atividade extra. Os fins-de-semana podem ser oportunidades ideais para servir como guia turístico informal e dar a conhecer a cidade aos visitantes.

Faça bricolage – Se gosta de montar os seus móveis e costume pintar as paredes da sua casa, aproveite bem dessas valências para ganhar dinheiro. Existem plataformas online que permitem divulgar os seus serviços e esperar que os contatos cheguem via email.

Venda as suas criações – Ganhar dinheiro fazendo aquilo que realmente gostamos é o sonho de muita gente. Através de lojas online como a Etsy, pode divulgar e vender as suas criações artísticas na internet a nível mundial.

Fotografia – A fotografia é quase obrigatória em muitos eventos festivos ou culturais, pode assim passar a fotografar nestas ocasiões. Pode também tirar fotografias para sites de vendas na internet.

Conheça também 7 ideias para começar o seu negócio com poucos custos